1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

Por um futuro saudável, quarentões buscam geriatras

30 de outubro de 2008 comente

Os geriatras, especializados na saúde das pessoas com mais de 60 anos, começam a ser procurados por pessoas cada vez mais jovens. O principal interesse desses pacientes a princípio deslocados é saber o que podem fazer agora para ter uma velhice saudável lá na frente.

Um desses pacientes é a nutricionista Geórgia Schwern Lewgoy, que tem 43 anos. "O geriatra vê você como um todo hoje, mas de olho no amanhã. Eu me consulto com ele porque quero viver mais e melhor", diz ela.

Seguindo à risca as orientações do novo médico, Geórgia deixou de ser sedentária - não passa um dia sem fazer caminhada. Passou a exercitar mais a mente - lê os jornais e procura estudar. E começou a se alimentar melhor - verduras, legumes e frutas nunca faltam na geladeira.

Por causa dos exames que o geriatra pediu, a nutricionista descobriu que tem osteopenia, um processo de envelhecimento dos ossos que se não for tratado pode levar à osteoporose.

A economista Ângela Thereza Added, de 48 anos, está no mesmo grupo. "Quando sabem que tenho um geriatra, as pessoas riem de mim. Dizem: 'Quer dizer que já está velha, então?' Eu não me incomodo. Estou cuidando da minha saúde", afirma.

Ângela vai ao mesmo geriatra que tratou sua avó e agora cuida de sua mãe. "Ele acompanha muito a parte psicológica da minha mãe, que teve problemas de depressão. Conversa bastante, coisa que outros médicos não fazem. O médico tem de ser sensível, atencioso, paciente e gostar do que faz."

Quando começou a atender, o geriatra Alberto de Macedo Soares, professor da Faculdade de Ciências Médicas de Santos, só aceitava pacientes com mais de 60 anos. Deixou de lado a idade quando começou a ver na TV médicos que prometiam retardar o envelhecimento com antioxidantes e remédios ortomoleculares. "Não existe elixir da juventude. Atendi vários pacientes que gastaram fortunas com remédios que não fazem efeito. Recebo esses pacientes mais novos para alertá-los sobre esses farsantes. Em alguns casos, até oriento que entrem na Justiça. Pode-se melhorar a qualidade do envelhecimento, mas não se pode evitá-lo."


O número no Brasil continua ínfimo quando comparado com outras especialidades. As mulheres, por exemplo, têm mais de 10 mil ginecologistas. E as crianças, pelo menos 7 mil pediatras.

Os médicos têm uma explicação. "A geriatria se desenvolveu na Europa nos anos 50, mas só chegou ao Brasil nos anos 70. É uma especialidade muito nova", diz o geriatra Eurico Carvalho Filho, o responsável pela inclusão da especialidade na Faculdade de Medicina da USP e no Hospital das Clínicas (HC).

Mesmo após três décadas dos primeiros passos, a especialidade que trata dos idosos ainda é um recém-nascido na medicina. Além do HC, só mais 14 hospitais oferecem residência na área. E nem todas as vagas conseguem ser preenchidas.


0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget