1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

Proteção Contra Quedas

18 de abril de 2014 comente
O que você pode fazer para ajudar na Proteção Contra Quedas?
Use este checklist de proteção contra quedas para tornar seu lar tão seguro quanto possível.
  1. Tenha um abajur ou um interruptor de luz que você possa alcançar com facilidade sem sair da cama.
  2. Use luzes noturnas no quarto, no banheiro e nos corredores.
  3. Mantenha uma lanterna à mão.
  4. Tenha interruptores de luz em ambas as extremidades de corredores e escadas. Instale corrimãos dos dois lados das escadas.
  5. Acenda as luzes quando for entrar em casa à noite.
  6. Adicione barras de apoio no chuveiro, na banheira e na área da privada.
  7. Use tapetes de banho com ventosas.
  8. Use tiras abrasivas ou um tapete apropriado no chuveiro ou na banheira.
  9. Considere sentar-se em um banquinho ou em um banco durante o banho.
  10. Considere usar um assento de vaso sanitário elevado.
  11. Calce sapatos que não escorreguem, de salto baixo ou chinelos que fiquem firmes. Não ande somente com meias ou descalço.
  12. Remova qualquer coisa desnecessária da sua casa.
  13. Mantenha fios de telefone e elétricos fora do caminho.
  14. Prenda os tapetes e cole os pisos de vinil ou tacos de forma que fiquem planos. Remova ou substitua os tapetes que tendem a ser escorregadios, ou cole algo que não escorregue na parte de trás (fitas adesivas antiderrapantes).
  15. Certifique-se de que os carpetes estejam bem presos nos degraus das escadas.
  16. Use acessórios de auxílio para caminhar, como bengalas, quando necessário.
  17. Adquira uma escadinha com corrimão alto e firme para alcançar objetos, não use uma cadeira.
  18. Pinte a beirada dos degraus das escadas externas e de quaisquer degraus que sejam especialmente estreitos, altos ou baixos em relação aos outros.
  19. Pinte as escadas externas com tinta antiderrapante (ou misture areia à tinta) para uma melhor tração.
  20. Revise os remédios com o seu farmacêutico. Algumas drogas podem deixá-lo sonolento, tonto ou comprometer o seu equilíbrio.
  21. Fique atento com a ingestão de álcool. Mais de duas doses por dia podem deixá-lo instável.
  22. Faça exames de visão e de audição. Problemas no ouvido interno podem afetar o equilíbrio. Problemas de visão podem dificultar a identificação de ameaças potenciais.
  23. Exercite-se regularmente para melhorar a flexibilidade e a força musculares.
  24. Caso você se sinta tonto ou desorientado, sente-se e fique assim até sentir sua cabeça clarear. Levante-se devagar para não comprometer o seu equilíbrio.
Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

O perigo das quedas em pessoas acima de 65 anos.

16 de abril de 2014 comente

  • Um estudo realizado com vitimas de quedas pelo Jornal de Medicina da Nova Inglaterra (EUA) mostra que 67% das pessoas que sofreram de queda e ficaram sem socorro por mais de 72 horas tiveram morte prematura, comparado com apenas 12% dos que ficaram sem socorro por menos de uma hora.
  • 70% da entrada de pessoas de 3a. idade em pronto socorros é conseqüência de quedas.
  • As quedas são um dos mais sérios riscos à saúde entre idosos acima de 65 anos, afetando mais pessoas do que derrame e paradas cardíacas, juntos.
  • As quedas são a principal razão de morte devido à contusão em pessoas acima de 65 anos.
  • 95% de fraturas de quadril são causadas por quedas. 40% dos hospitalizados com fratura no quadril não voltam a viver independentemente e 20% morrem dentro de um ano.
  • Mais da metade (55%), de todas as quedas que ocorrem com idosos são em casa. Em torno de 23% ocorre fora, mas perto de casa. 
  • A maioria das quedas não são relatadas, mas é de se esperar que de 35% a 40% das pessoas acima de 65 anos caiam pelo menos uma vez ao ano. Os que caem uma vez tem de 2 a 3 vezes mais chances de cair de novo.
  • Muitas condições crônicas de saúde colocam outros milhões de idosos em risco. Doenças cardiovasculares, doenças pulmonares, artrite, diabetes, osteoporose, visão e audição reduzidas e Mal de Parkinson, todas essas doenças deixam os idosos vulneráveis e desamparados em casa.
Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

Sexo na 3a. idade - Mulheres elogiam vida sexual aos 70 anos de idade

14 de abril de 2014 comente
Elas são avós e até bisavós. Mas esqueça aquela imagem da senhora tradicional, que se dedica apenas a cozinhar para os netos e cuidar do lar. As mulheres de 70 anos de hoje malham, vão ao cinema, frequentam restaurantes com os amigos, saem para dançar e têm vida sexual ativa. Sim, nunca as mulheres da terceira idade fizeram tanto sexo.
De acordo com a psiquiatra Carmita Abdo, coordenadora do Projeto Sexualidade (ProSex), do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, 50% a 60% das mulheres brasileiras de mais de 60 anos mantêm uma vida sexual ativa.Uma pesquisa americana revelou recentemente que o sexo só melhora ao longo da vida. Segundo Iris Krasnow, professora de Jornalismo e Estudos Femininos da American University, que entrevistou 150 mulheres entre 20 e 90 anos, mulheres com mais de 70, 80 ou até 90 anos desfrutam a melhor atividade sexual de suas vidas.

As conclusões estão no livro Sex After…: Women Share How Intimacy Changes as Life Changes, ainda sem tradução para o português.
“Tenho uma vida sexual sem grilos. É só acender um fósforo que tudo pega fogo”, garante a aposentada Ana Maria Vieira, de 64 anos, três filhos e cinco netas. Viúva há 11 anos, ela namora há quatro o também aposentado Nilvio Machado, de 75. “Pode até não ter tanta quantidade, mas a qualidade é muito maior”, afirma. Os dois se conheceram no Clube Carinhoso, tradicional salão de bailes da região do Ipiranga, na zona sul de São Paulo, e continuam frequentando o clube toda quinta-feira à tarde.

Necessidade. Aos 84 anos, dois filhos, três netos e um bisneto, Irene Zarantonello também é frequentadora dos bailes do Carinhoso. Solteira há cerca de 20 dias, após terminar um relacionamento de um ano, ela considera sexo uma “necessidade”. “É como comer, ir ao banheiro, é importante para a saúde. E hoje é melhor do que antigamente. Antes, era mais beijo e abraço. Hoje, tem umas posições bacanas”, explica.

Para Carmita Abdo, os avanços da medicina possibilitaram essa mudança no perfil das mulheres de mais de 60 anos. “Nessa idade, muitas sofriam com a ausência de lubrificação vaginal, o que tornava o sexo doloroso. Hoje há terapias de reposição hormonal e até cremes de uso tópico que resolvem esse problema”, aponta.Mais longevas e preocupadas com a saúde, as mulheres também têm cuidados com o corpo até mais tarde. A aposentada Marli Westphal, de 63 anos, dois filhos e uma neta, corre 10 km todo dia, faz musculação e pilates. “Quanto mais exercícios eu faço, melhor eu me sinto. Estou muito satisfeita com o meu corpo”, diz ela, que tem 1,68 metro e 64 kg. A vida saudável contribui para um sexo de mais qualidade, garante Marli, que é casada há 30 anos. “Tudo funciona melhor. O sexo está quase 100% mais gostoso do que quando eu era jovem.”
Para André Pernambuco, médico-assistente da disciplina de Geriatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a mudança se deve também a fatores culturais. “Elas viveram a revolução sexual, o que provocou uma mudança de comportamento enorme. Hoje a mulher de 70 anos é uma jovem. É a nova mulher de 50″, afirma. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

O que é Parkinson?

11 de abril de 2014 comente
    

Parkinson é uma doença neurológica que afeta os movimentos da pessoa. Causa tremores, lentidão de movimentos, rigidez muscular, desequilíbrio, além de alterações na fala e na escrita.

Não é fatal, nem contagiosa, não afeta a memória ou a capacidade intelectual. Também não há evidências de que seja hereditária.

A doença se deve à degeneração das células situadas numa região do cérebro chamada substância negra. Essas células produzem dopamina, que conduz as correntes nervosas (neurotransmissores) ao corpo. A falta ou diminuição da dopamina afeta os movimentos do paciente, provocando os sintomas acima indicados.


Quem tem a doença?

A doença de Parkinson pode afetar qualquer pessoa, independentemente de sexo, raça, cor ou classe social, apesar de ser mais frequente em idosos, geralmente a partir dos 50 anos. Mas, pode também acontecer nas idades mais jovens, embora os casos sejam raros. Um por cento das pessoas com mais de 65 anos têm a doença de Parkinson.


Como diagnosticar o Parkinson?

O médico neurologista é o profissional indicado para diagnosticar e tratar a doença de Parkinson. Seu diagnóstico é feito por meio da exclusão. Os médicos podem recomendar exames como eletroencefalograma, tomografia computadorizada, ressonância magnética, análise do líquido espinhal, para terem a certeza de que o paciente não possui nenhuma outra doença no cérebro. O diagnóstico da doença é baseado na história clínica do paciente e no exame neurológico. Não há nenhum teste específico para fazer o diagnóstico da doença de Parkinson, nem para a sua prevenção.


Tratamento

Até o momento não há cura para a doença. Mas ela pode e deve ser tratada, não apenas combatendo os sintomas, como também retardando o seu progresso. A grande barreira para curar o Parkinson está na própria genética humana. No cérebro, ao contrário do restante do organismo, as células não se renovam.

Há medicamentos e cirurgias, além da fisioterapia e a terapia ocupacional que combatem os sintomas. A fonoaudiologia também é muito importante para os que têm problemas com a fala e a voz.

O mais importante é visitar regularmente o médico, que poderá esclarecer e indicar o tratamento mais adequado para o quadro clínico do paciente.

Clique nas imagens para ampliar. 





















Fonte: portais Programa Saúde Fácil e Associação Brasil Parkinson

Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

O cuidado com as unhas

3 de abril de 2014 1 comentário
Quando o assunto são as unhas, cada um tem uma “receita”  para mantê-las bonitas e saudáveis. Pintá-las com esmalte de cor mais escura para fortalecer, cortá-las quadradinhas para não encravar, deixá-las alguns dias sem esmalte para que possam “respirar”... As “receitas” são inúmeras, mas nem todas eficientes.

Dra. Flávia Martelli conta o que é mito e verdade nesse universo e dá dicas de como manter as unhas em dia sem grandes esforços:
Mitos
Ao contrário do que muita gente acredita, os esmaltes escuros não escurecem nem fortalecem as unhas. “O que deixam as unhas amarelas são algumas substâncias, como solventes, presentes em determinadas marcas; é preciso ficar de olho e fazer uso moderado destes produtos”, alerta a especialista. E o que fortalece as unhas é a alimentação adequada. Deficiências nutricionais e também certos medicamentos de uso contínuo podem comprometer sua aparência. Vale conversar com o médico a respeito e sempre caprichar na alimentação balanceada.

Cortar em vez de lixar garante o fortalecimento das unhas. “O modo utilizado para manter o comprimento das unhas não interfere no seu processo de fortalecimento visto pois só se corta a extensão das unhas, quando já passou da fase de crescimento.”

Verdades: Unhas precisam de um tempo sem esmaltes e removedores para “respirar”. “Nossas unhas são constituídas por células mortas, então não há essa necessidade de “respiração”. No entanto o que pode ocorrer é o ressecamento de unhas e cutículas por conta da esmaltação frequente e, principalmente, o uso de removedores de esmalte. “Prefira removedores que não tenham acetona na composição, desta maneira a unhas não ficarão tão esbranquiçadas ou ressecadas. O uso de hidratantes específicos para mãos e unhas também é recomendado”,  explica a dra. Flávia.

É possível contrair doenças como hepatite e micoses fazendo as unhas. “Materiais mal esterilizados, como o alicate, e usados em várias pessoas, pode ser, sim, um caminho para a contaminação. Se possível, tenha seu próprio kit”, sugere a dra. Vale também verificar se o salão conta com auto claves que esterilizam os materiais de uso coletivo.

Unha dos pés: O formato dos bicos dos sapatos e também das unhas ajudam a encravá-las com mais facilidade. “Para quem usa calçados fechados com frequência, o ideal que as unhas dos pés sejam cortadas em formato quadrado; já as das mãos o formato oval é o mais indicado por serem naturalmente mais frágeis”, a médica pontua. Sapatos de bicos finos ou com pouco espaço para a movimentação dos dedos costumam facilitar o encravamento das unhas do pés.

Dica: Hoje em dia existe uma infinidade de produtos que facilitam a busca por unhas mais bonitas e saudáveis. “Uma boa loção hidratante para unhas usadas diariamente ajuda no combate ao ressecamento e deixa as unhas com aspecto mais saudável. Outra dica é usar lixas que ajudam a remover saliências sem danificá-las e dá brilho”.
Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

Como chegar aos 100 anos

31 de março de 2014 comente
FASE 1 - Para não morrer antes da hora
USE FIO DENTAL: A higiene bucal pode diminuir o risco de doenças cardíacas. Uma pesquisa do Instituto do Coração de São Paulo mostrou que 78% das endocardites bacterianas, uma inflamação da parte interna do coração, são causadas pela falta de limpeza nos dentes.
COMA CHOCOLATE: Para garantir mais alguns aninhos, coma moderadamente. O chocolate contém elementos químicos, chamados fenóis, que podem proteger ou evitar doenças do coração e câncer. Além disso, eles possuem antioxidantes que eliminam os componentes que envelhecem as células.
CASE-SR: Os solteiros têm 5 vezes mais chances de morrer de doenças infecciosas e homicídio. Além de estarem mais predispostos a correr riscos, eles também podem morrer do coração – o índice é 38% maior do que entre os casados.
FAÇA MAIS SEXO: Pesquisas comprovam que pessoas que fazem sexo regularmente são menos estressadas, mais felizes e mais descansadas – todos esses fatores diminuem a pressão sanguínea e protegem contra paradas cardíacas e outras doenças do coração.
FASE 2 - Para estender o prazo de validade
SEJA OTIMISTA: Você está indo bem. Continue sorrindo, que seu risco de morrer cedo será reduzido em 50%. Pessoas que pensam positivo podem viver até 12 anos a mais. Além disso, pessimistas pegam mais resfriados e doenças virais porque vão menos ao médico.
FREQUENTE UMA IGREJA: De qualquer religião. Aí você aumenta a sua expectativa de vida em 1,8 a 3,1 anos. A ciência ainda não descobriu por quê, mas pode ser conseqüência do aspecto social da religião, que diminui o nível de estresse.
SEJA AMIGO DA SUA MÃE: Um estudo da Universidade Harvard, nos EUA, descobriu que 91% das pessoas que não mantinham relação com a mãe delas desenvolviam sérias doenças. Entre elas pressão alta, alcoolismo e problemas cardíacos.
CONTINUE: A ejaculação freqüente está relacionada ao baixo índice de câncer de próstata. Duas vezes por semana pode aumentar sua vida em 10 anos.
FASE 3 - Viver bem quando chegar l
TENHA UM CACHORRO: Os índices de sobrevivência daqueles que têm animais de estimação é 12% maior do que os que não têm. Aqui o fator é psicológico e físico: atua contra a depressão e estimula o exercício físico.

TENHA MUITAS CRIANÇAS: Quanto mais filhos uma mulher tem, mais tempo ela vive. Um estudo sobre a psicologia do envelhecimento indica que a causa pode ser o contato e suporte dos filhos e dos netos durante a velhice. Você cuidou deles por tanto tempo. Agora é a vez de ser recompensada (o).

FONTE; REVISTA SUPER INTERESSANTE
Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

A saúde dos olhos

25 de março de 2014 comente
Perder a visão é uma das deficiências que mais incapacitantes do ser humano. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), no Brasil, estima-se que exista aproximadamente 4 milhões de pessoas com deficiência visual e cerca de 1,5 milhões de cegos. Os distúrbios oculares tendem a aumentar com o avanço da idade.

As taxas de cegueira em pessoas acima de 80 anos são de 15 a 30 vezes maiores do que entre as pessoas de 40 a 50 anos. De acordo com o Presidente da Sociedade Brasileira de Oftalmologia e consultor do Instituto Varilux da Visão, Dr. Marcus Sáfady, os idosos precisam ficar atentos. “Eles são os mais afetados por problemas visuais, pois suas estruturas oculares sofreram numerosos danos com o passar dos anos. Logo, é de suma importância a realização de exames oftalmológicos frequentemente”, afirma.

Sáfady alerta ainda para três patologias que podem levar à cegueira em pessoas acima dos 60 anos: a catarata, o glaucoma e a retinopatia diabética. “A catarata é a opacidade do cristalino. Com o tempo ele vai ficando menos transparente e a visão começa a ficar mais difícil. Este quadro pode piorar até que fique impossível enxergar sendo inevitável a cirurgia. Já o glaucoma provoca lesão no nervo ótico e pode levar à cegueira irreversível se não detectado a tempo. E a retinopatia diabética, que é mais comum em pessoas que têm o diabetes há mais de 20 anos, é caracterizada pela alteração dos vasos sanguíneos ocasionando má circulação na retina, que pode resultar em queda de visão gradual seguidos, muitas vezes, por queda de visão abrupta”, explica.

É importante que a disponibilidade de serviços especializados em atendimento aos idosos aumente na mesma proporção do crescimento desta população. “A assistência a este tipo de paciente requer hospitais especializados, além de equipes multidisciplinares, capazes de atendê-los e orientá-los de uma forma global. Uma vez assistidos e tratados em suas patologias, as consequencias dos distúrbios oculares no idoso serão bem menores, evitando sua incapacitação e proporcionando uma melhor qualidade de vida”, conclui o oftalmologista.

Vista Cansada
Um outro distúrbio que ocorre, geralmente, a partir dos 40, 45 anos de idade é a Vista Cansada. Ela é caracterizada pela dificuldade em enxergar objetos que estejam próximos dos olhos. “A vista cansada ocorre por causa do enfraquecimento do músculo ciliar que faz a acomodação do cristalino – uma espécie de lente que temos dentro dos olhos e que permite uma visãi nítida para perto, média e longa distância”, esclarece o médico, acrescentando que, o cristalino tem a função de focar para perto e para longe. “Quando somos jovens, esse músculo é elástico, mas com o passar do tempo, por volta dos 40, vai se tornando mais rígido e perde suas funções. Algo que faz parte do envelhecimento natural”, explica.

A solução nesse caso é a utilização de óculos com lentes multifocais que corrigem a visão para longe e para perto. Hoje existe no mercado lente multifocal com tecnologia de ponta capaz de oferecer ao usuário uma visão quase 100%, ou seja, bem próxima da visão natural e que acaba de vez com a deformação de imagens e o efeito de flutuação, ou seja, as incômodas “tonteiras” causadas pelas lentes multifocais comuns.

Fonte: Ascom
Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

Share It