1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

A música como terapia para portadores de demências e Cuidadores parte 1 de 2

10 de junho de 2013 comente
Numerosos estudos têm demonstrado os efeitos terapêuticos da música para aqueles pessoas portadoras desde a doença de Alzheimer.

O músico internacionalmente conhecido Quincy Jones vencedor de vários Grammy desenvolve um projeto, que incluem os efeitos surpreendentes da música como terapia para pessoas idosas com demência.

Ele falou em entrevista:

A música é uma das chaves para uma vida mais longa, mais feliz, apesar de problemas de saúde?

Embora a música tenha estado conosco desde o início dos tempos, nas últimas décadas, estudos têm mostrado que a música como uma ferramenta terapêutica pode aumentar a função cognitiva em pacientes com Alzheimer, ajudar recém-nascidos prematuros a ganhar peso, incentivar as crianças autistas para se comunicar, levar pacientes com AVC à recuperar a fala e mobilidade e controlar a ansiedade e depressão em pacientes psiquiátricos.

Desde que a música está associada a um dos cinco sentidos - audição, que é controlado pelo cérebro, o que faz sentido, devemos exercer o nosso cérebro com a audição de música para estimular as funções cognitivas, da mesma forma que usamos fisioterapia para exercitar nossos membros, músculos e articulações para recuperar a mobilidade e  função física.


Estudos têm demonstrado que a música reduz a agitação ou melhora as questões comportamentais, tais como explosões de violência em pacientes com demência. 

Em um programa piloto, 45 pacientes com média a demência em estágio avançado teve uma hora de terapia musical personalizado três vezes por semana, durante 10 meses, e melhoraram sua pontuação em um teste de função cognitiva em 50 por cento, em média.

Traduzido e adaptado do texto: Music as Therapy: A 5-Note Plan for Caregiver Calm por Silvia Masc.

Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget