1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

"Prestenção, minha gente"

19 de março de 2011 3 comentários

Na fila que me parecia quase um século, minha atenção foi subitamente arrebatada por aquela figura entrando pela porta estreita da única casa lotérica da praia.

A prata dos cabelos presos num coque à moda antiga, o indefectível casaquinho usado por todas as avós do mundo, o par de óculos colado à ponta de seu nariz como parte de seu corpo... Nada, nada mesmo combinava com seus olhos. De um azul raro e imenso, quase celeste, era como um convite irrecusável à eternidade, tão jovens aparentava.

Com uma bengala que se não era de prata pura, parecia, ela deu alguns passos, meio trôpega e postou-se na fila do caixa onde havia um cartaz bastante visível e claro que dizia: “Idosos, deficientes e pessoas com crianças de colo”. Leu-o, como fazia todos os meses em que ali vinha receber a pensão de seu coronel, um amor que nem a morte separou. Mal tirou os olhos do cartaz, virou-se e deu de cara com uma moça com uma criança no colo.

Alta, de longos e bem tratados cabelos loiros, corpo bem feito à mostra num vestido curtíssimo, bem próprio para praia, a moça certamente estaria habituada a chamar atenção por onde passasse. Mas ela nunca imaginou que naquele dia, as atenções seriam redobradas. E ainda por um mal feito.
A senhorinha passou a olhar a moça acintosamente, de cima a baixo, como se varresse com o olhar algo desagradável. De repente, ela cruzou os braços à frente do peito como que para tomar coragem, levantou a cabeça para alcançar o olhar dela, tão falsamente distraído e disse:

– Ôôôô... mocinha! Acho que você cometeu um engano. O atendimento diferenciado inclui ‘pessoas com criança DE colo’ e não ‘pessoas com crianças NO colo”. – explicou, enfatizando o ‘no’.

Para nós, a população lotérica, que já tínhamos lido todos os cartazes da saleta e conversado com todos os conhecidos, aquilo naturalmente, foi um prato cheio para aliviar o tédio.

Não era implicância de gente velha, não. A criança era um baita de um guri, um galalau, passava de três anos e fazia força o tempo todo para livrar-se daquele colo inexplicável.
A moça até que tentou por alguns minutos ignorar o comentário, mas a senhora estava determinada a fazer justiça naquele momento:

– E então? – disse, espalmando as duas mãos e erguendo o queixo num gesto de evidente cobrança de atitude.
Não tendo mais como se livrar da velhinha e dos olhares cúmplices que a cercavam por todos os lados, ela explicou:

– Eu sempre pego fila, mas hoje estou precisando...

– Pois muito bem, minha filha. Parabéns pela sua educação! – e voltou-se para o caixa que a sua vez já chegara.

Devia ter cerca de vinte pessoas irritadas pela espera no recinto, todas loucas por uma boa desculpa para desabafar. Todas mantiveram o olhar firme na moça sem educação. Eu, protegida atrás de uns óculos escuros enormes, assistia tudo, morta de vergonha por ela. Pensei no quanto é humilhante receber uma lição daquelas, já sendo adulta, em público, por gente desconhecida.

O mal-estar durou uns minutos. Logo, não resistindo mais a pressão invisível e muda do povo, a moça desistiu e saiu da sala, com aquela criança enorme ao lado e as contas por pagar.

Quanto à senhora boca-dura, ficou o exemplo de civilidade a todos nós, que preferimos fazer vista grossa para não nos incomodarmos com situações como aquela, num país onde todos fazem o que querem e ninguém reclama.

Tive vontade de por a senhorinha debaixo do braço e levá-la até Brasília para resolver a questão da mega usina de Belo Monte que ameaça destruir boa parte da Amazônia desafiando a legislação ambiental, pondo diretor de Ibama para correr e coisa e tal.

Mas poderíamos começar por aqui, no centro de São Francisco do Sul. Ah! Esta velhinha na Prefeitura... Aposto que impediria a Norsul de entrar na ilha para fazer os estragos que promete, a despeito dos pareceres contra de biólogos e a desaprovação pública da população.A senhorinha, ao terminar sua tarefa no caixa, caminhou até a porta, e, como se estivesse se esquecendo de algo, virou-se e disse, para quem quisesse ouvir:
– Preste atenção, minha gente. Não deixe que te façam de bobo.

Autor: Fernanda de Aquino
Fonte: Correio do Litoral.Com 

Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

3 comentários:

Beth/Lilás disse...

Excelente! Não sei se o texto é história verídica ou apenas uma crônica do cotidiano, mas a verdade é que hoje em dia aparecem pessoas idosas como esta velhinha que botam pra quebrar, falam com a sapiência da idade madura e dão exemplos fantásticos.
Quero ficar igual a ela, aliás, eu vou ficar. hehe
adorei!
bjs cariocas

Turquezza disse...

Temos vários ângulos:
a "mocinha" que não aparenta ter seus sessenta e alguns anos, toda cuidada, de vestidinho ...... olham para ela recriminando, talvez precise mostrar carteira de identidade ou de motorista .....
o senhorzinho que pega as contas de todo mundo para pagar e demora demais no caixa e a fila não anda ........
e vai por aí, todos com seus direitos.
Mas abuso de jovens aí tem que reclamar mesmo, pôr ordem na casa.
Beijos.

Leci Irene disse...

É... esta pequena diferença "de colo" e "no colo" é pouco observada. Quer dizer, muita gente usa e abusa do crianças no colo...

Ocorreu um erro neste gadget