1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

Apresentando a Geriatra Dra. Luciana Pricoli Vilela

26 de abril de 2011 7 comentários
"Vamos 'conversar' sobre Medicina, especificamente sobre a Geriatria, especialidade médica voltada para o cuidado das pessoas em processo de envelhecimento. Além disso, vamos discorrer um pouco sobre os aspectos humanísticos relacionados ao envelhecimento e à vida. Juntos podemos aprender mais". Participem!

Ao ler essa introdução no blog da Dra.Luciana Pricoli, já gostei de cara,alguém com a sua formação em universidade de ponta, preocupada em compartilhar informações, com uma linguagem acessível, é algo muito admirável. Liguei para ela, e fui super bem recebida, é uma pessoa adorável, e entre outras gentilezas, colocou à disposição do Longevidade o conteúdo escrito por ela, e ainda colocou um link do Longevidade em seu blog. 
Eu vou declinar da oferta do conteúdo do blog Geriatria: Medicina e Humanismo porque gostaria que vocês lessem lá, que a seguissem e que vocês indiquem o blog, é um conteúdo rico e esclarecedor, e vindo de uma profissional da área, é algo que não podemos desprezar. Vamos prestigiá-la, com ela podemos aprender muito, e com informação de qualidade.

Obrigada,




Vamos começar enriquecendo o Longevidade, com a entrevista que ela nos concedeu, e que é muito esclarecedora.
LONGEVIDADE: Qual a diferença de Geriatria e Gerontologia?
DRA. LUCIANA: Ambos os termos foram criados no início do século XX. “Geriatria” é a especialidade médica voltada aos indivíduos em processo franco de envelhecimento e às questões de saúde peculiares a esse período da vida. Já o termo “gerontologia” refere-se ao estudo do envelhecimento de forma mais ampla, em todas as áreas relacionadas à saúde. Nesse sentido, muitas profissões podem se dedicar à gerontologia, ou seja, ao que se refere às especificidades dessa população. Assim, outros profissionais podem se especializar em gerontologia dentro de seu âmbito de atuação.
LONGEVIDADE: Quais os objetivos principais da Geriatria?
DRA. LUCIANA: Em primeiro lugar essa especialidade médica está focada na prevenção, mas também no tratamento de doenças e outros problemas comuns aos indivíduos que estão envelhecendo. O geriatra tem uma visão ampla do paciente, buscando sempre formas de contornar, na medida do possível, limitações à independência física e à autonomia moral dos idosos sob seus cuidados.
LONGEVIDADE: Quais os problemas mais comuns enfrentados pelos idosos?
DRA. LUCIANA: Há problemas em diversos campos: no campo da saúde, por exemplo, as doenças mais comuns são hipertensão arterial, diabetes, elevação do colesterol, osteoporose, artrose, perda de memória, depressão, obesidade, quedas, fraqueza etc. Entretanto, há muitas pessoas que chegam a idades avançadas sem muitas doenças e com enorme independência física e mental. Esse é o objetivo do envelhecimento saudável, da promoção de saúde desde cedo.
Outros problemas enfrentados pelos idosos são os sociais: mudanças de papéis dentro da família e na sociedade, por exemplo, quem antes gerenciava passa a ser gerenciado; perdas econômicas devido às baixas aposentadorias; isolamento e perdas afetivas pela morte de pessoas próximas. São situações que não raramente geram crises nas pessoas que envelhecem.
LONGEVIDADE: Como esses problemas podem ser prevenidos?
DRA. LUCIANA: No âmbito da saúde física e mental é preciso cultivar desde o mais cedo possível, hábitos saudáveis de vida. São comportamentos que fazem muita diferença com o passar dos anos: alimentação equilibrada; prática regular de atividade física; dormir bem; consumir pouco álcool; não fumar; descansar com periodicidade; cultivar vínculos sólidos com a família e com os amigos; evitar um ritmo frenético, estressante de vida.
No âmbito social, é muito importante planejar o envelhecimento. Em geral as pessoas com 20 ou 30 anos não pensam nisso mas esse planejamento não pode ficar para quando faltarem 5 anos para a aposentadoria. O indivíduo precisa ao menos idealizar o que pretende fazer quando se aposentar e, de preferência, ter reservas econômicas para esse período que cada vez tende a ser mais longo e que pode ser muito feliz. Nesse sentido, a socialização, os vínculos de amizade e a espiritualidade têm papel central para uma velhice feliz, ainda que com alguns problemas já que a vida sempre é permeada de dificuldades...
LONGEVIDADE: Mesmo saudável o idoso deve procurar um médico? Por quê?
DRA. LUCIANA: Sem dúvidas que sim. O ditado é sábio: é melhor prevenir do que remediar! Ou em outras palavras, a prevenção é sempre o melhor remédio.
Há pessoas que afirmam que não vão ao médico porque “quem procura, acha”. Isso é uma grande bobagem porque muitos problemas de saúde podem ser minimizados, quando não curados, se são diagnosticados cedo. E mesmo na ausência de doenças, há o aconselhamento de hábitos saudáveis individualizados que não devem ser menosprezados como parte da consulta médica.
 Além do mais, a prevenção da perda de independência física ou da autonomia moral, ou seja, da capacidade de gerenciar a própria vida, são aspectos essenciais que podem ser analisados na consulta com o especialista.
LONGEVIDADE: Como a atividade física pode melhorar a vida de um idoso?
DRA. LUCIANA: A atividade física só traz benefícios, está associada com a minimização dos problemas mais comuns aos idosos: melhora o controle da pressão arterial, do açúcar no sangue, do colesterol, das dores crônicas; melhora a fraqueza muscular; fortalece os ossos; melhora queixas de esquecimentos, de sintomas depressivos, de tontura, desequilíbrio, ansiedade; melhora qualidade do sono e a qualidade de vida de uma forma geral.
LONGEVIDADE: É importante que outros profissionais também acompanhem o idoso ou apenas o geriatra já é suficiente?
DRA. LUCIANA: O geriatra funciona como um gerente do seu paciente. É comum que o idoso tenha que passar em vários especialistas e muitas vezes esses diversos acompanhamentos são fragmentados e um profissional acaba “atrapalhando” o outro. O geriatra deve funcionar como um pivô desse elenco todo. No âmbito médico, boa parte dos problemas mais comuns podem ser acompanhados só pelo geriatra, porém algumas vezes ele mesmo vai julgar ser necessário a opinião ou acompanhamento de um especialista ou de outros profissionais.
LONGEVIDADE: Qual a diferença entre loucura e demência?
DRA. LUCIANA: “Loucura” é um termo pejorativo e impreciso. Do ponto de vista técnico, diz muito pouco ou só imprime um preconceito. Pessoas sui generis podem ser chamadas de “loucas”quando na verdade são simplesmente “diferentes”.
Já o termo “demência”, esse, sim, é um termo técnico. Demência é um conjunto de sinais e sintomas que demonstram que aquele indivíduo está padecendo de uma doença com repercussões na sua capacidade de raciocínio, memória, coordenação, compreensão etc. Esse indivíduo precisa ser avaliado por um especialista e deve ser tratado.
Chamar de doença o que é doença é mais importante do que parece: uma pessoa que tem toda uma história de vida e que começa a adoecer e mudar seu comportamento, deve ter sua biografia preservada. Essa pessoa precisa ser protegida para que não seja mal interpretada. Por exemplo: um idoso que sempre foi muito correto e que começa a apresentar comportamentos indecorosos precisa ser protegido já que ele não é mais senhor de seus atos. E a família necessita perceber a situação e procurar ajuda, sem “achar que é normal da idade”.
LONGEVIDADE: Para os idosos que conduzem veículo, em que momento devem para de fazê-lo?
DRA. LUCIANA: Essa é uma boa pergunta. Não há uma idade máxima para dirigir. Cada pessoa apresenta um ritmo de envelhecimento muito diferente da outra. Sempre cito a comparação de um idoso de 60 anos que pode estar acamado por uma seqüela de um acidente vascular, por exemplo, com outro de 90 anos que ainda trabalha nos seus negócios. São situações completamente diferentes.
Assim, a questão de dirigir deve será analisada caso a caso. É fato comum que o envelhecimento traz um retardo nos reflexos e lentificação dos movimentos mas também costuma trazer hábitos mais prudentes. Portanto, devemos olhar o conjunto da saúde do idoso. Esse assunto pode ser discutido na consulta com o geriatra.
LONGEVIDADE: Em que momento, devemos consultar um geriatra?
DRA. LUCIANA: Não há uma idade ideal para fazê-lo. O geriatra é um clínico geral também por isso está apto a começar a acompanhar seus pacientes desde a idade adulta. Entretanto, sabemos que não há um número de geriatras suficiente para a parcela da população que está envelhecendo. Assim, outros médicos costumam indicar um geriatra quando o paciente apresenta diversas limitações comuns à idade e que o geriatra está habituado a lidar.
LONGEVIDADE: Quais sugestões, a Sra. daria para enriquecer o conteúdo do Longevidade? 
DRA. LUCIANA: Acho o blog com uma atividade incrível. É simplesmente maravilhoso que ele seja atualizado diariamente. É um trabalho imenso que a Silvia leva com maestria. O conteúdo é tão diversificado que não tenho muito como sugerir coisas novas! Talvez o blog poderia fazia mais parcerias com instituições diversas para expandir seu raio de ação e a Silvia poderia se dedicar inteiramente a ele!

Luciana Pricoli Vilela

Médica Geriatra e Clínica Geral - CRM/SP 116.078



Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

7 comentários:

Cristiane A. Fetter disse...

Que ótimo este canal, quanto mais informações e ajudar melhor para a buscar de um envelhecimento saudável.
Parabéns Silvia.
bjks

Anny disse...

Bom dia, Silvia!
Obrigada pela dica.
Beijos.
Anny

Beth/Lilás disse...

Ah, Silvia, como é importante para nós que temos nossos pais com mais de 75 anos entendermos melhor como lidar com suas doenças e envelhecimento propriamente dito!
A Dra. Luciana, certamente, será seguida por mim e muitas pessoas que amam e querem o melhor para seus entes queridos. Assim como seus ensinamentos poderão servir para nós mesmos no caminho que leva à envelhecer com qualidade de vida.
Adorei a entrevista e saber a diferença entre Geriatria e Gerontologia.
beijos cariocas

CARNEIRO disse...

Muito boa essa entrevista com Dra. Luciana. Perguntas inteligentes e respostas esclarecedoras.

Dra. Luciana diz que entre outros problemas enfrentados pelos idosos são os sociais, como mudanças de perdas econômicas devido às baixas aposentadorias.

Eu acho que esse é um dos principais problemas, pois daí geram os “outros problemas”

Se o governo desse condições para que os idosos pudessem se tratar, diminuiria 80% dos casos de doenças, e consequentemente melhoraria a qualidade de vida dos aposentados.

Poucos são os aposentados que podem pagar um plano de saúde, e contar com o SUS é uma temeridade!

Por ex: Se você tem uma simples rinite e quer consultar um otorrino, você se inscreve numa lista de espera que pode durar meses para ser atendido.

Infelizmente é essa a realidade!

Parabéns pela entrevista! Gostei muito!

Elisabeth disse...

Meus parabéns, Silvia!
Este canal aberto é estupendo.
A atividade física é realmente muito importânte. Todos os médicos de diversas áreas são unânimes em receitar atividade física para seus paciêntes.
Um beijo
Beth

Leny e Erasmo. de Carvalho disse...

Bom demais Si...já repassei p/minhas amigas...bjsssssssssss parabéns

Simone Czeresnia disse...

Silvia, repassei para os meus pais. Muito boa a entrevista.

Ocorreu um erro neste gadget