1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

Perdoar a si mesmo como um cuidador, e aliviar a raiva, por Silvia Masc

28 de novembro de 2011 comente

Você já percebia que alguma coisa não ia bem com o seu ente querido, e em uma consulta, vem o diagnóstico: Alzheimer, você sabe que terá que assumir tarefas difíceis e desagradáveis, e conforme a doença progride, você percebe que tem menos tempo para você, passa a definir expectativas irreais para você, e acha que pedir ajuda é um sinal de fraqueza, inclusive acha que ninguém fará as coisas tão bem quanto você. E aí vem a raiva e a culpa por te-la.

Cuidadores enfrentam uma série de desafios quando um ente querido desenvolve a doença de Alzheimer (AD) ou um distúrbio relacionado, incluindo lidar com suas próprias emoções e stress. Cuidar de uma pessoa com deficiência de memória pode uma tarefa extenuante

É comum sentir raiva contra o que você está cuidando. Às vezes, a raiva pode ser um sintoma do medo a maioria dos cuidadores vivem esse sentimento. Você, está perdendo o seu ente querido. No entanto, sentir raiva não é o problema real. como cuidadores você tem direito de senti-la. O problema surge por não saber o que fazer ou como aliviar a raiva.

A devastação desta doença desencadeia sentimentos fortes em todos, incluindo todas as emoções que são consideradas negativas como raiva e medo, porque são naturais, dada a situação. É natural pensar que você está perdendo. "

A raiva é uma emoção real, normal e esperado em cuidadores. Há um tema predominante - a raiva é desencadeada em cuidadores quando há falta de validação e apoio de membros da família. Como resultado, a raiva é mais exasperado por não ter tempo para si mesmo.

Para encontrar algum alívio, é essencial para a primeira distinção entre o que é possível mudar o que está dentro do seu poder mudar. Quando a raiva aumentar por tentarmos mudar uma circunstância incontrolável, a maneira mais fácil de encontrar alguma calma pode ser o de parar de tentar tão intensamente e fazer coisas diferentes.

Quando resistimos, ficamos presos em nossa raiva. Não quero dizer que você não possa trabalhar ativamente para melhorar as coisas por pedir a ajuda de membros da família, significa que você pode fazer as pazes com a forma como as coisas são hoje. Essa escolha é uma forma de manter a sua raiva sob controle e é uma forma de auto-cuidado.
 Muitas vezes é o nosso pensamento (e não a situação real) que causa raiva e nos impede de ver as coisas objetivamente. Esta última análise, limita a nossa capacidade de encontrar uma maneira melhor de lidar com ela.

Pergunte a si mesmo quando você começa a sentir-se oprimido ou zangado:
  • Qual a causa real da minha raiva?
  • Eu realmente preciso de estar preocupado ou preciso mesmo me preocupar com isso?
  • Quais são as conseqüências se eu ignorar isso?
  • Isso é algo que deve ser feito agora?
  • Por que eu estou me preocupando esta expectativa de alguém ou é a minha?
  • Tenho uma solução boa agora?
Lembre-se, você tem direito de sentir raiva. Perdoar a si mesmo quando as coisas dão errado, e acreditar que o que você está fazendo o melhor possível.

"Você não vai ser punido por sua raiva, você será punido por sua raiva" - Buddha

Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget