1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

Por que alguns pacientes de Alzheimer não apresentam déficit cognitivo?

23 de maio de 2014 comente
Por que alguns pacientes com doença de Alzheimer chegam até o final de suas vidas sem apresentar comprometimento cognitivo?

Desde a época do próprio Dr. Alois Alzheimer, duas proteínas (beta-amiloide e tau) tornaram-se o equivalente da doença de Alzheimer.

Mais recentemente, contudo, pesquisadores mostraram que as beta-amiloides podem ser uma defesa do cérebro, levantando a nefasta possibilidade de que medicamentos desenvolvidos para atacar as placas dessas proteínas podem estar ajudando a piorar a doença.

Agora, um novo estudo desafia a noção de que tau e beta-amiloides sejam as únicas proteínas responsáveis pelas características clínicas da doença.

Envelhecimento resiliente do cérebro

Em um grande estudo clínico-patológico baseado em neuroimagens de pacientes que morreram com a doença, pesquisadores da Clínica Mayo (EUA) demonstraram que uma terceira proteína, chamada TDP-43, desempenha um papel importante no Alzheimer.

Pacientes cujos cérebros apresentavam a TDP tinham 10 vezes mais probabilidade de apresentar déficit cognitivo em comparação com pacientes que não tinham a proteína, mostrando que a TDP-43 tem o potencial para sobrepujar o que tem sido chamado de "envelhecimento resiliente do cérebro".

"Nas fases iniciais da doença, quando a patologia era menos grave, a presença da TDP-43 foi fortemente associada à disfunção cognitiva. Consequentemente, a TDP-43 parece desempenhar um papel importante nas características cognitivas e de neuroimagem que têm sido associadas à doença de Alzheimer," diz a neurologista Keith Josephs.

A equipe também descobriu que os pacientes que sofriam de maior comprometimento cognitivo e atrofia temporal medial, no momento da morte apresentavam maior carga de TDP-43 e tinham a proteína em um maior número de regiões do cérebro.

"É por isso que acreditamos que a TDP-43 pode ajudar a lançar alguma luz sobre o fenômeno da cognição resiliente no Alzheimer e explicar por que alguns pacientes permanecem clinicamente normais, enquanto outros não, apesar de ambos terem graus semelhantes de patologia," concluiu a médica.
Fonte: Diário da Saúde

Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget