1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

Mesa para um.

17 de agosto de 2008 comente

Ctrl - A
Ctrl+ A
Altera o tamanho
da letra

Truques e soluções para cozinhar e comer sozinho sem apelar para a pizza ou para o restaurante

por Josimar Melo

Quem mora sozinho pode mais facilmente brincar com a fantasia na hora de comer. Pode até tentar reproduzir o hábito francês de trocar a compra mensal e programada de todos os ingredientes do mês pelo hábito de passar diariamente, na volta do trabalho, pelas suas lojas de comida ou supermercados prediletos.

Dessa maneira, o que se vai comer a cada dia depende do que mais atrai o comprador. Mas, ainda que seja apenas num açougue ou supermercado, o hábito de se surpreender cada dia com cada refeição pode tornar a vida - e o paladar - bem mais interessante.

Mas será necessário ficar enfurnado na cozinha durante tanto tempo? Tudo bem, um almoço ou jantar especial, para vários amigos, a ser degustado durante horas num fim de semana, pode requerer todo esse tempo de preparo. Mas, para quem vive e come só, existem certos pratos práticos e rápidos, mas muito saborosos.

Comprar um belo bife ou um filé de peixe, umas folhas de salada ou um ingrediente para cobrir uma massa ou reforçar um risoto italiano, são a garantia de uma solução rápida para um jantar solitário (ou quem sabe na companhia de uma visita, mesmo que convidada de última hora).

Não faz sentido fazer arroz, ou feijão, na quantidade para apenas uma pessoa. Sempre Prepare numa quantidade grande e congele o que não vai comer na hora, para uso futuro. É claro que a regra não vale para uma macarronada, mas há vários outros pratos que vale a pena guardar: um goulash (um tipo de picadinho húngaro) ou qualquer guisado de carnes, uma feijoada, cozidos em geral (de frango, de carne) e mesmo carnes grelhadas e assadas, Muitos molhos podem também ser guardados muito bem: aquele molho à bolonhesa que fica horas e horas apurando no domingo pode ser feito em quantidade tal que boa parte dele seja congelada para dias de maior pressa. Dependendo do caso, procuro sempre congelar em várias pequenas porções individuais, para ir usando aos poucos.

Cinco regras de ouro

  • faça você mesmo, de preferência em casa - Não se torne escravo do mau restaurante nem dos congelados industriais: esteja sempre preparado para fazer sua refeição em casa, confeccionada por você a cada dia, em pouco tempo e sem stress.
  • respeite sua vontade a cada dia - Não se torne escravo também da rotina dos cardápios predeterminados. Habitue-se a passar no mercado, no açougue e na casa de frios diariamente, no caminho de casa, para preparar o que mais o atrair naquele momento.
  • pratos elaborados, só se for bastante - Não desanime de fazer, de vez em quando, pratos mais trabalhosos ou demorados - carnes ensopadas, feijão e molho à bolonhesa, por exemplo. Mas aproveite para fazer em grande quantidade e congele o que não consumir em pequenas porções, para usar depois.
  • Congelar e descongelar não é feio - Não tenha medo do freezer e do microondas - mas aprenda a usá-los adequadamente, para que sejam seus aliados para ganhar tempo, quando necessário.
Para descongelar, retire do freezer o alimento horas antes (nunca force a barra passando-os em água quente, por exemplo). Use o microondas atento às instruções e saiba que sua relação com ele melhora com a experiência (aos poucos você percebe o que precisa fazer para ter a comida como quer). No caso de ensopados, pode também levar do freezer à panela, em fogo baixo, acrescentando um pouco de líquido (água, caldo).
  • Se for beber um vinho, tampe a garrafa e leve o que restou à geladeira, para continuar bebendo durante uns dois ou três dias.


Fonte: Revista Vida Simples (Ed.Abril) Edição Jan. 2005

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget