1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

Arte, alimento para melhor idade

23 de janeiro de 2009 1 comentário

Um dos quadros de Dna. Lourdes

No dia 23 de junho de 2008, publiquei aqui um post, com o título:

A linda história da Dna. Lourdes! 74 anos, belíssimo exemplo

Lendo a matéria abaixo, me lembrei dela.

Aos 80 anos de idade, uma senhora com memória e disposição física de fazer inveja em muitos jovens não perde uma aula de pintura. Cercada de amigos, às vezes chega atrasada à aula por causa das sessões de fisioterapia. O ambiente que a cerca é uma sala com muita cor e luz. Sobre uma mesa de canto, um moderno aparelho de som enche o ambiente com a ópera “Tristão e Isolda” de Wagner, “Carmen de Bizet, ou composições de Mozart, Beethoven e Bach, além de outros estilos musicais utlizados para iniciar o processo de sensibilização para a atividade.


O cenário inusitado faz parte da rotina de muitos moradores e freqüentadores do Hiléa, centro de vivência para a maturidade. Os alunos têm idades que variam de 60 a 93 anos, e, por perto, um artista atento para estimular às atividade do dia. No decorrer das aulas, o processo de criação dos trabalhos desenvolve o senso crítico e estético. Mais importante ainda, faz com que as pessoas percebam suas potencialidades e descubram habilidades, na maioria das vezes adormecidas ou desconhecidas, tomando contato assim com sua capacidade criadora e o adquirindo prazer pela arte.

“Eu não acredito que na escola eu não fazia nada de arte e hoje velha eu faço. Olho para minha pintura e pergunto pra mim: Será que foi eu que fiz? Eu sou boa ainda para alguma coisa. Aqui no atelier a gente ganha auto suficiência. Tenho percebido que na arte a gente usa a memória, a inteligência e isso tem sentido. “ - comenta uma das alunas do grupo, com 86 anos.


Outro caso que emociona médicos e visitantes é o de uma senhora de 86 anos que apesar dos problemas nas articulações que já afetaram as pernas e parte da mobilidade das mãos, participa ativamente das aulas e mergulha no processo criativo. Preocupa-se com as cores e as formas que serão utilizadas para desenvolver o trabalho, e naquele momento, suas as limitações lhe parecem secundárias.

A maior parte das aulas é feita com propostas específicas e os alunos ficam extremamente concentrados, surpreendendo por suas habilidades. Quando estão atuando, relembram a sua história de vida e, sobretudo, percebem que pode ser autores de seus trabalhos, enfrentando desafios do processo criativo, estimulando a escolha e mente como conseguinte.

A arte pode combater a depressão muitas vezes sentida pelas pessoas com Doença de Alzheimer. Um estudo realizado em Brighton na Inglaterra mostrou que metade dos pacientes com Alzheimer que participaram da pesquisa tiveram significativa melhora em seus sintomas.

Para ver as fotos clique aqui


1 comentários:

disse...

Mas eu não digo que esse blog é muito especial.
Foi por causa de matérias como essa que eu tenho um presente muito especial pra ti lá em casa.
Eu adoro pintar é meu mundo. aço aulas de pintura a quase 8 anos e não vou parar de jeito nenhum depois do que li, minha vovó morreu por conta dessa terrível doença, tinha 97 anos mas até os 95 era super ativa e morava sozinha, não admitia a comp de ninguém, mas a oença se manisfestou e a levou em 2 anos, os médicos ficaram pasmos, coisa rara.
Amiga tenha um fds maravilhoso e muito abençoado, vai lá em casa e pega seu presente especial, você faz parte de minha vida assim como todos que lá vão.
Beijos te amo viu???

Ocorreu um erro neste gadget