1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

MÚSICA! Além de encantar tem fins teraupêuticos.

30 de abril de 2009 comente


Lendo um artigo de Sérgio Augusto, no Estado de S.Paulo, sobre descobertas e estudos científicos que usam a música com fins terapêuticos. Esse samba não é novo, mas me surpreendeu. Trabalho com música há quase 30 anos e só agora descubro que ela é um santo remédio! Espero que o futuro confirme as suposições do artigo. Sempre imagino que terminarei a vida surdo e alquebrado pelo rock'n roll. Quem sabe a música, ao contrário, não me dará uma velhice saudável?

Essa balada começou na década de 1960, quando o médico Oliver Sachs começou a pesquisar o efeito da música em pacientes com doença de Parkinson. Depois, já na década de 1970, MacDonald Critchley e R.A. Henson publicaram um estudo sobre as relações da música com o cérebro. Mas só agora,com as pesquisas da doutora Vera Brandes, da Universidade Médica Paracelsus de Salzburgo, a musicoterapia ganhou um outro status.

Vera Brandes é uma ex-produtora de shows que descobriu - paradoxalmente - o poder medicinal da música quando se recuperava de um acidente de carro. Ela dividia o quarto do hospital com um budista. Os visitantes do budista sempre cantavam e dançavam no quarto. Vera, cujo prognóstico de recuperação era de meses, sarou em algumas semanas.

Desde então ela vem pesquisando formas - ou fórmulas - de misturar timbres e ritmos sonoros, melodias e harmonias instrumentais em "compostos medicinais". Para tanto, criou a empresa Sonoson, especializada em montar sistemas musicais personalizados para clínicas.

Você deve estar se perguntando: como assim? É isso mesmo. O paciente,depois de diagnosticado pelo médico, recebe uma espécie de iPod com músicas testadas em laboratório, mais um fone de ouvido e um medidor de pulso e outros índices fisiológicos. Vera Brandes avisa que seu método é inútil para patologias complicadas e doenças infecciosas, mas muito eficaz no combate ao que ela chama de "doenças da civilização": ansiedade, depressão, stress, insônia etc.

Para provar que talvez a doutora Brandes esteja no caminho certo, aqui vão dois exemplos citados no artigo de Sérgio Augusto, ambos tirados do livro Alucinações Musicais - Relatos Sobre a Música e o Cérebro, de Oliver Sachs:

1. Tony Cicoria é um ortopedista que foi atingido por um raio. Ele saiu do choque com uma vontade louca de ouvir piano, especialmente Chopin. Depois de alguns meses transformou-se num pianista.

2. O próprio Oliver Sachs,autor do livro, recuperou um joelho avariado ouvindo repetidas vezes o Concerto Para Violino, de Mendelsohn.

É. No show de hoje à noite vou aumentar um pouco o volume da guitarra. Só por precaução.


Tony Bellotto - Músico e escritor |
email: tonybellotto.cenasurbanas@gmail.com
Fonte: Veja Abril

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget