1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

Estudo mostra boas razões para você abusar - no bom sentido - do toque físico

16 de março de 2010 16 comentários


Que a pessoa amada faz bem à alma, todo mundo sabe. A novidade é que o toque e a presença do parceiro são benéficos ao organismo. Foi o que mostrou uma pesquisa realizada na Universidade da Carolina do Norte (EUA). Estudiosos brasileiros reforçam a tese, defendem o toque físico, e dizem que um abraço pode melhorar a auto-estima, diminuir a timidez e a ansiedade e tornar mais viáveis aqueles dias em que a vida parece não estar tão bem.

Segundo o psicopedagogo Carlos França, da Universidade de Campinas (Unicamp), assim como o toque físico agressivo causa alterações no organismo, como a liberação de grande dose de adrenalina e taquicardia, a carícia afetiva opera da mesma forma. A diferença é que são reações orgânicas benéficas, como descontração muscular, respiração calma e vaso-dilatação. "Por isso, os casais não apresentaram o aumento de batimentos cardíacos, conforme revelou a pesquisa. O carinho traz enormes benefícios ao organismo humano", explica França.



Os cientistas norte-americanos reuniram 50 casais e 85 adultos desacompanhados, que foram orientados a recordar situações de medo e irritação. Antes, os casais passaram dez minutos de mãos dadas enquanto assistiam a um vídeo, e depois se abraçaram por mais 20 segundos. O resultado mostrou que os sozinhos registraram aumento de pressão arterial e de batimentos cardíacos mais considerável do que os casais.

França acrescenta que o toque físico afetivo não é apenas agradável, mas necessário ao ser humano em função da troca de energia que ele proporciona. "Nós irradiamos um campo energético que, no caso dos contatos afetivos, se interpenetram e geram bem-estar àqueles que se tratam de maneira agradável, carinhosa, cooperativa", completa.



Seguindo o raciocínio, se um simples toque tem esse grande poder, imagine o que um abraço não pode fazer. Segundo psiquiatra norte-americana Kathleen Keating, autora do livro A terapia do Abraço (Editora Pensamento), o contato corporal promove mudanças fisiológicas consideráveis tanto no "abraçante" quanto no "abraçado".

O contato corporal também produz endorfinas, tais como a dopanina e a serotonina. Distribuídos na corrente sangüínea, esses neurotransmissores causam sensação de bem-estar e felicidade, combatendo a insônia e o desconforto causado pela carência afetiva. E essa troca de afeto não envolve, necessariamente, apelo sexual. Abraços servem para demonstrar amizade, solidariedade, alegria do encontro, comemoração e vários outros.

Se é tão bom, qual o porquê de tamanha resistência ao aconchego, sobretudo entre os casais? Para França, as relações desgastadas são caracterizadas pela ausência do contato entre os corpos, pois almas que não se atraem mais, não desejam o contato físico. "Por outro lado, é possível recuperar o toque, principalmente o abraço, como forma de dar um novo sentido à relação", considera.

Na opinião da psicóloga e terapeuta familiar Maria Rita Seixas, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), o passar dos anos acaba afastando fisicamente os casais, fazendo com que eles percam a intimidade construída na relação. "O amor também é mantido pelo toque", afirma a psicóloga. Fica a lição.

E você, já abraçou alguém hoje? Ainda é tempo.

Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

16 comentários:

Heloísa disse...

Sílvia,
Sem dúvida o toque físico afetivo tem uma importância enorme para o equilíbrio das pessoas. É como um alimento.
Quanto à campanha do "abraço grátis" mostrada no vídeo, eu tive oportunidade de vivenciar uma há algum tempo.
Até publiquei no meu blog.
Dê uma olhada:
http://blogdavovohelo.blogspot.com/search/label/campanha

Beijo.

Leci Irene disse...

O contato físico, o abraço carinhoso, realmente é uma fonte de energia positiva, de proteção, amparo... Pena é a educação ora rígida demais que inibe o contato, ora displicente demais que não valoriza este contato. Então saimos perdendo...

Glorinha L de Lion disse...

Oi Sílvia...abraço, carinho, toque é tudo de bom...tem gente que passa dias e dias sem abraçar, afagar ninguém...isso é impressionante!
Amor e carinho fazem bem demais à alma, ao bem estar, ao equilíbrio.
Abraçar um filho, um amigo, a mãe, o amor da gente...isso não tem preço, é remédio grátis!
Beijos.

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

Nesse quesito o Brasil é privilegiado... a frieza nas relações e reservas - mesmo quanto a um abraço - é que marcam muitos países por aí [ditos civilizados]...

*Isis* disse...

Realmente o carinho é essencial em tudo. Principalmente com o passar dos anos.
Beijos

Silvia Masc disse...

Heloisa, li no seu blog, sobre a campanha da qual você participou muito simpática mesma, eu ainda não participei de nenhuma oficial, mas sou uma "abraçadeira" de marca, mesmo sem campanha. :)

obrigada pelo seu comentário.

beijinho

Silvia Masc disse...

É verdade Glorinha, percebo algumas pessoas, que ficam rígidas diante de um abraço, algumas demonstram afeto de outras maneiras, outras nem isso, deve haver alguma história mal resolvida em suas vidas.

obrigada pelo seu comentário.

beijinho

Silvia Masc disse...

Leci,
Também vejo o abraço como acolhimento, e quem for esperto, que se entregue... :)
obrigada pelo seu comentário.

beijinho

Silvia Masc disse...

Olá Francisco,

È verdade, nosso povo é acolhedor e "abraçador" bem mais que outros.

obrigada pelo seu comentário.

beijinho

Silvia Masc disse...

Oi Isis, carinho é tudo de bom sempre não?

beijinho
obrigada pelo seu comentário.

Beth/Lilás disse...

Ah, sim, um abraço é tudo de bom!
Acho muito mais sincero do que os dois beijinhos que aqui no Brasil trocamos. Prefiro o abraço apertado, daquele que passa energia de um pro outro.
Meu filho noutro dia me disse que quando alguém está agitado, nervoso, meio fora de controle, se receberum abraço por uns segundos bem apertado, sentindo o calor do outro corpo, tende a melhorar instantâneamente e acho que isso dá resultados mesmo.
Agora, neste momento, gostaria de estar abraçando0, pois anda meio tristinho coitado!
bjs cariocas e um abraço também

Silvia Masc disse...

Beth,

O filhote tem razão.

beijinho e um abração.

Dora Regina disse...

Não existe um mau abraço, somente bons e ótimos abraços
Abraços são: dietéticos e não causam câncer ou cáries...

Abraços são totalmente naturais, sem preservativos, ingredientes artificiais ou pesticidas...

Abraços são: livres de colesterol, adoçados naturalmente, 100% disponíveis na natureza e são totalmente recicláveis...

Abraços são fáceis de transportar, não necessitam baterias, sintonização ou raio-X...

Abraços são isentos de impostos, totalmente regeneráveis e auto-eficiente em matéria de energia...

Abraços são seguros em qualquer tipo de clima...

Na verdade, abraços são especialmente aconselháveis para dias frios e chuvosos...

Abraços são excepcionalmente efetivos no tratamento de problemas como: pesadelos ou depressão da segunda-feira...
Nunca deixe para amanhã se você pode abraçar alguém hoje, porque quando você dá um abraço em alguém, no mesmo instante você recebe um de volta

Um abraço especial para você

Marliborges disse...

Silvia,
O bom do abraço é que é remédio sem contra indicações e a gente, na mesma hora que dá, já recebe um de volta. Assim ninguém perde, todos saem ganhando. É toma-lá-dá-cá. Melhor que isso, só dois isso!!!!!! rsrsrs
Beijo grande, amiga.

REGINA GOULART SANTOS disse...

Silvia, mas que delícia seu texto.
É preciso saber dar um abraço com os dois braços.
O toque com carinho e ternura é essencial em qualquer relação, e imprescindível entre os casais,e se tiverem afinidades, então o toque será de Midas, tão sublime quanto o amor verdadeiro.

Beijos mil

Denise disse...

Interessante a abordagem, Silvia.
O abraço tem um componente importante para atuar conforme o texto diz: normalmente, é "carregado" de afeto, emoção e energia. Isso "nutre" o abraçado E o abraçante. O poder de um abraço desse como disparador de endorfina é imensurável...acessa um mar de sentimentos, sensações e geram bem-estar.
As relações estão alteradas na atualidade, e penso que os casais, como focos do texto, representam essa realidade de afazeres que "engole" os prazeres, prejudicando a troca afetiva, numa proposta voltada para o fazer, crescer, para proporcionar, subsistir...e "os anjos se afastam", abrindo espaços vazios que podem se transformar em abismos, exilando seus pares numa relação distorcida dos valores que os uniu...porém, a boa notícia, é que tudo aquilo que desejamos recuperar, é passível de conseguirmos...um olhar mais demorado, "enxergando" seu parceiro, um toque, um abraço - e tudo pode ser retomado, se não recuperado.

O importante é matérias como essa serem divulgadas, acordar as pessoas dessa hipnose coletiva de dedicar-se tanto para o fazer esquecendo-se de SER...eu acredito na retomada dos valores e das demonstrações de afeto!!

Adorei voltar aqui.
Bjos!

Ocorreu um erro neste gadget