1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

Você sabia que é proibido alimentar pombos?

16 de abril de 2011 6 comentários
A figura do velhinho sentando em um banco na praça alimentando pombos, não existe mais, ou não deveria existir, já que os pombos são uma das pragas urbanas que preocupam autoridades sanitárias e médicos no País. Potencial transmissor de doenças há legislação que proíbe alimentá-los.

"Muitas são reclamações contra vizinhos, geralmente idosos, que alimentam os bichos na calçada em frente da casa ou no quintal", conta Fábio Agostine, médico veterinário do Centro de Controle de Zoonoses de São Caetano, ele explica que se o pombo encontrar abrigo comida e água acaba se instalando. Isso ocorre em telhados, torres de igrejas, marquises e árvores. Comida, quando não tem quem dê, acha com facilidade em restos deixados em locais públicos e abertos. Outro fator que contribui para sua proliferação é a ausência de um predador natural, como o gavião.

O pombo daqui tem origem européia, tendo chegado junto com os portugueses, durante a colonização, para servir de alimento. Foram domesticados há 5.000 anos pelos asiáticos, também para servir de alimento, além de treinados para levar correspondência. Cada fêmea pode ter até dez filhotes por ano. Na cidade, o espécime dura até cinco anos. Na natureza, 20.

PREJUÍZO
Entupimento de calhas, canos. Recentemente uma igreja, em São Bernardo do Campo, precisou trocar todas as calhas, por causa da quantidade de bichos instalados. Foram necessários três meses de trabalho para retirar ninhos, fezes e até pombos mortos que entupiram os canos.

Usar balde d''água ou mangueira, sem jato, para limpar as fezes do pombo é a forma mais adequada para retirar o excremento. Se varrer, os fungos ficam suspensos no ar e podem ser inalados.

Doença transmitida pela ave afeta imunodeficientes
O pombo é transmissor de algumas doenças. A mais grave é a criptococose, causada pelo fungo cryptococcus. No entanto, a maior parte das pessoas, ao entrar em contato com o fungo, não manifesta a enfermidade. Geralmente, os infectados são pacientes imunologicamente debilitados, como portadores de HIV ou câncer.

"Criamos anticorpos e ficamos imunes. É uma doença oportunista, que contamina pessoas com imunidade baixa. Mas já tivemos situações de pessoas fora desse perfil. explica o médico Munik Akar Ayub, professor de Infectologia da Faculdade de Medicina do ABC. Segundo ele, os pacientes imunologicamente debilitados podem apresentar os seguintes quadros: meningite (inflamação da meninge), encefalite (inflamação do cérebro) e retardo mental. Em alguns casos, leva à morte.

Há outras doenças transmitidas, como salmonelose, causada pela ingestão de ovos ou carne contaminados pela bactéria salmonella, também presente nas fezes de pombos. As penas e ninhos podem agravar quadros alérgicos. "É um rato de asas que transporta sujeira. O vento faz com que as partículas dos fungos se depositem também em objetos e alimentos", alerta o especialista.

Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

6 comentários:

Turquezza disse...

Pois é Silvia, muitas pessoas ainda alimentam os pombos .......
Para afastá-los, nada melhor que "barulho" !!!!!
Aqui no meu telhado apareceram alguns, não sei porque. Nós e todos os vizinhos mantemos as casas limpas, bem cuidadas, sem lixo fora do lugar etc.
Então, eu e husband colocamos umas latas vazias, amarradas numa cordinha e toda vez que os pombos vinham, fazíamos um barulhão com as latas no telhado.......
Eles demoraram um pouco, mas sumiram e nunca mais voltaram.
Beijos.

Milton T disse...

Não me lembro qual programa que eu vi há uma semana, onde imigrantes italianos comem pombo assado e já há criados em cativeiro e vendidos abatidos

Anônimo disse...

faltou mencionar a legislação que proíbe alimentar pombos, pois não há proibição sem lei......Pelo contrário existe lei que proibe os maus tratos a animais...
grato

Paulo Scardine disse...

Ao "Anonimo": em algumas cidades do ABC é lei sim. Em São Paulo (capital) a lei 10.309 de 22/04/87, especialmente a partir do artigo 21, trata de animais sinantrópicos, inclusive pombos. Mas é muito prolixa, pessoalmente eu gostaria de um decreto mais simples dizendo apenas: "não alimente os pombos, seu imbecil, são pragas urbanas, alimentar pombos é a mesma coisa que alimentar ratos e baratas". Gostaria de saber quem é o acessor de marketing dos pombos, não sei como esse bicho nojento transmissor de doenças pode ser "simbolo da paz". Símbolo da paz o cacete, é um rato com asas.

Silvia Masc disse...

Paulo, obrigada pela sua colaboração, ao mencionar a legislação,claro que gostamos e protegemos animais, mas coerência e informação faz bem á todos não?

Anônimo disse...

meu vizinho cria pombos em sua lage , são muitos e ele tem ate um viveiro onde alguns ficam presos e outros soltos. estou icomodado pois sei que pode trazer doenças o que voçe me sugere fazer. meu
emaill e apollopena@yahoo.com.br obrigado.

Ocorreu um erro neste gadget