1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

Os perigos da ingestão de antibióticos sem prescrição médica

22 de agosto de 2011 comente
Desde o final de novembro do ano passado a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) obriga farmácias e drogarias a exigir receita médica para a venda de antibióticos, com prescrição feita em duas vias e a validade da receita de dez dias.

No final de abril deste ano as embalagens e bulas passaram a incluir a seguinte frase: “Venda sob prescrição médica - só pode ser vendido com retenção da receita”. O mês também foi o prazo final para que farmácias e drogarias concluíssem a adesão ao processo de escrituração das receitas, registrando a venda no Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC).

A proposta para restringir e tornar mais rígidas as vendas de antibióticos no Brasil teve como objetivo diminuir o consumo desnecessário desses medicamentos e evitar o aumento da resistência bacteriana a essas drogas. Segundo o infectologista Jaime Rocha, a medida da Anvisa é extremamente benéfica já que, na prática, uma boa parte das vendas de antibióticos era feita sem nem mesmo a apresentação de uma receita médica. “O antibiótico é o único medicamento com impacto social. Se uma pessoa usa mal o antibiótico, pode-se induzir uma resistência bacteriana para outros pacientes, ou seja, ele pode deixar a bactéria ainda mais resistente e trocar material genético com outras bactérias, atingindo o que chamamos de transmissão horizontal,” explica o especialista.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) mais da metade das prescrições de antibióticos feitas no mundo é inadequada. De acordo com Jaime Rocha, para minimizar esse problema existem exames como o antibiograma que ajudam o médico a escolher o antibiótico mais apropriado para o paciente. “O uso de antibiótico deve ser pautado em diagnóstico preciso, clínico, laboratorial e microbiológico”, reforça.

Outra análise que auxilia a prescrição correta de medicamentos é a procalcitonina (PCT), que diagnostica a infecção bacteriana grave do organismo, chamada no jargão médico de sepse. Segundo o infectologista, o resultado desse exame pode resultar na diminuição dos efeitos colaterais das medicações, bem como da resistência bacteriana e de custos hospitalares, pois pode auxiliar na retirada de antibióticos.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nova norma para venda de antibióticos no País – a resolução RDC nº20/2011. A dispensa sob prescrição médica e a retenção da receita continuam valendo, mas a primeira via do receituário ficará com o paciente e a segunda será retida na farmácia. Antes da norma, o paciente ficava com a segunda via. Agora, o médico também precisa discriminar a idade e o sexo do paciente na receita.

Nesse post, mencionamos os antibióticos, mas é sabido que o uso  de qualquer medicação, deve ser feita, sob orientação médica.



Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget