1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

21 de setembro, o Dia Mundial de Alzheimer

21 de setembro de 2011 comente
Alzheimer afeta 40% dos idosos acima dos 80 anos 

Embora seja conhecido que a doença é de característica neurológica degenerativa, em que proteínas anormais se acumulam levando à perda de neurônios, a medicina ainda não encontrou meios de parar ou reverter o processo de Alzheimer. Sem cura, especialistas utilizam medicamentos – que repõem algumas substâncias que os neurônios mortos deveriam construir – para aliviar os sintomas e contribuir, assim, para melhorar o bem-estar daqueles que sofrem do Mal. Para a geriatra “até o momento, contudo, nenhum medicamento impede que a doença progrida”.

A partir dos 60 anos, o indivíduo se torna suscetível à doença, mas o pico de incidência ocorre aos 80 anos, de acordo com a Dra. Cybelle, que aponta o esquecimento como o principal sintoma da doença. “E não se trata daquele esquecimento pontual, mas o frequente, em que o indivíduo apresenta dificuldade de memória, apagando com facilidade um fato de sua mente”, alerta. 

De acordo com informações da ABRAz, a doença de Alzheimer (DA) apresenta-se em quatro fases, sendo: 

1° fase – Perda de memória de curto prazo, com dificuldade em lembrar fatos ocorridos recentemente. O paciente apresenta alteração na capacidade de se concentrar e agilidade do pensamento, sobretudo o abstrato; e da memória autobiográfica, pois ele esquece o que fez no domingo, por exemplo; além de certa desorientação de tempo e espaço. A pessoa também não sabe onde está e tampouco em que ano, mês ou dia. A apatia é outro sintoma bastante comum nesta fase. 

2° fase – Com o passar dos anos, conforme os neurônios morrem e a quantidade de neurotransmissores diminui devido a evolução da doença, aumentam a dificuldade em reconhecer e identificar objetos e a execução de movimentos. A memória é afetada de modo diferente, pois as mais antigas, a memória semântica (de fatos acontecidos no mundo e história geral, significado das palavras e coisas) e a memória implícita (memória de como fazer as coisas) não são tão afetadas como a memória de curto prazo (recente) e a memória autobiográfica. Surgem problemas de linguagem, como a diminuição do vocabulário e a dificuldade para falar; e o paciente passa a ter dificuldade para fazer tarefas simples do dia a dia, como escrever, vestir-se e lembrar de tomar a medicação. 

3° fase – A dificuldade na fala torna-se evidente devido à impossibilidade de se lembrar de vocabulário. O paciente vai perdendo a capacidade de ler e de escrever e deixa de fazer as mais simples tarefas diárias. Os problemas de memória pioram e o indivíduo pode deixar de reconhecer os seus parentes e conhecidos, o que representa uma progressiva incapacidade para o trabalho e convívio social. A memória de longo prazo vai se perdendo e alterações de comportamento podem se agravar. As manifestações mais comuns são a apatia, irritabilidade e instabilidade emocional, chegando ao choro, ataques inesperados de agressividade ou resistência ao cuidado. Incontinência urinária pode aparecer. O paciente pergunta a mesma coisa centenas de vezes, mostrando sua incapacidade de fixar algo novo. Palavras são esquecidas e frases são truncadas, permanecendo sem finalização, muitas vezes. 

4° fase – O paciente está completamente dependente das pessoas que tomam conta dele. A linguagem está reduzida a frases simples ou até palavras isoladas, levando, eventualmente, a perda da fala. Apesar do prejuízo da linguagem verbal, os pacientes podem compreender e responder com sinais emocionais. No entanto, a agressividade ainda pode estar presente e a apatia extrema e o cansaço são resultados bastante comuns. Há dificuldade para desempenhar as tarefas mais simples sem ajuda, tal como levar o copo à boca. 

Apoio familiar Mediante este cenário, a família tem papel preponderante na vida do portador da doença, que se torna cada dia mais dependente das pessoas que o cercam. “A família precisa entender que o ambiente deve ser tranquilo, harmonioso ao paciente. A falta de rotina e um ambiente estressado e com brigas é complicado”, reforça a Dra. Cybelle Diniz. 

Para ler a matéria completa clique aqui

Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget