1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

Após postar o vídeo "Clarita", eu precisava falar com vocês, por silvia masc

26 de setembro de 2011 2 comentários
Reflexão sobre o Alzheimer

Enquanto me sento, escrevo ou leio os posts sobre Alzheimer, me pego com sentimentos de raiva e tristeza.
Em uma doença como a de Alzheimer, não há cura, a viagem é imprevisível, e soluções absolutas são inexistentes. Sinto-me triste porque sei muitas vezes que não há não há uma correção para os desafios que vocês podem estar passando. E que muitos de vocês devem suportar o esgotamento físico e emocional exigências da prestação de cuidados, bem como o isolamento que cria - até mesmo de seus próprios familiares. Estou com raiva que esta doença é amplamente ignorada por muitos, incluindo o nosso sistema de saúde.

Sinceramente, eu gostaria de aliviar um pouco essa dor. Mas, eu não posso. Ninguém pode. Humildemente, o que posso oferecer-lhe é informação e educação para ajudar no entendimento da doença. Eu posso lembrá-los que vocês não estão sozinhos e validar tanto as suas experiências como os seus sentimentos. 

Mas hoje eu estou fazendo o que muitas vezes eu peço à vocês. Vou simplesmente lidar com as minhas emoções - a minha raiva, tristeza e desamparo. No entanto, para mim, o alívio vem em saber que todas as emoções são cíclicas. Em outras palavras, nenhum de nós pode ter a experiência da tristeza sem ter também uma relação com a felicidade. Nem podemos saber o que é calma sem ter sentimentos de raiva para compará-lo com. Tenho algum conforto em saber que essas emoções vão passar.

Leitores e comentaristas do blog, obrigado novamente e novamente para compartilhar suas emoções, sua humanidade, em todas as suas vulnerabilidades. Quando a raiva e tristeza aparecerem em conjunto para vocês, acreditem acima de tudo, é o relacionamento humano que nos traz de volta para algum senso de contentamento ou felicidade. Não se isole.

Escreva para nós, eu, por exemplo, estou grata por poder escrever à vocês.

Silvia Masc
o vídeo está aqui
Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

2 comentários:

Luma Rosa disse...

Sílvia, nem sei se vou conseguir comentar este post! Assisti ao vídeo e senti um nó na garganta ao pensar na atriz, no personagem e a pessoa real que existiu por detrás deste trabalho.
Pela atriz nutro verdadeiro respeito e como sempre, desempenhou um trabalho magnífico. A narrativa da filha me levou a imaginar as situações e diante delas uma sensação de incapacidade e impotência diante de algo que foge ao controle de qualquer pessoa.
As conclusões ao final, foram arrasadoras. Obrigada pela partilha! Beijus,

Silvia Masc disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ocorreu um erro neste gadget