1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

Descubra como perder peso mantendo seu metabolismo a jato, mesmo depois dos 50.

5 de julho de 2012 comente

Aos 20 anos, está tudo bem. Os quilinhos adquiridos pelos panetones, pernis e rabanadas, típicos de final de ano, simplesmente desapareciam na primeira semana de janeiro. Agora, depois dos 50, eles estão cada vez mais decididos a durarem alguns meses. Isso acontece porque, conforme envelhecemos, nosso metabolismo desacelera, dificultando a perda de peso. 

É comum que na maturidade fique mais difícil perder peso. Segundo o endocrinologista, doutor em Endocrinologia e ex-presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) Amélio Godoy Matos, "quando envelhecemos, tendemos a perder massa magra (músculos) pela pouca prática de atividade física e queda de alguns hormônios, especialmente os esteroides sexuais e de crescimento. Nas mulheres, a queda dos esteroides sexuais é abrupta após a menopausa e, nos homens, é mais gradativa. Por isso, elas sentem mais dificuldade de emagrecer".

Para que ninguém confunda, Amélio deixa claro que o objetivo de manter o metabolismo acelerado não é queimar gorduras. Para ele, "essa expressão 'queimar gordura' é inadequada porque queimar é oxidar gorduras. É melhor falar em gasto metabólico, que é a termogênese, dissipação da energia via calor. Se seu metabolismo de repouso é aumentado, você ganha menos peso do que pessoas que têm metabolismo baixo, ou seja, dissipa mais energia. Se pratico mais atividade física, aumento minha massa magra e aumento meu gasto energético em repouso. O grande responsável pela maioria dos casos de ganho de peso é

 o baixo gasto metabólico em repouso".

Existem diversas linhas de pensamento e algumas afirmam que fazer várias pequenas refeições ao longo do dia é uma boa maneira de contribuir para acelerar o metabolismo. Amélio argumenta dizendo que "há um erro de interpretação nessa história. Apenas 5% daquilo que eu consumo em termos de calorias é gasto com o metabolismo. Ou seja, se eu fizer uma refeição de 500 calorias, apenas 25 serão gastas com isso. Quando como, especialmente alimentos termogênicos (que aumentam a temperatura corporal) –carboidratos e gordura, principalmente – aumento a quantidade de insulina no sangue e isso é um tiro no pé porque a insulina é lipogênica, aumenta a formação de gordura".

Não é incomum ouvirmos dizer que quanto mais acima do peso a pessoa estiver, mais facilidade tem para perder gordura. E Amélio explica o porquê. "Se eu emagreço, dissipo menos energia. Ou seja, se eu passo a consumir menos do que eu geralmente consumo, emagreço, mas o organismo tende a se defender desacelerando o metabolismo. É um mecanismo de adaptação, na realidade. Mas eu acho que é melhor gastar menos, magro do que gastar muito, gordo", conclui.

Não tem mistério. A prática de atividade física é a melhor maneira que existe de manter seu metabolismo funcionando a todo vapor. "70% do gasto metabólico é relacionado à massa magra. Conforme envelhecemos e continuamos sedentários, grande parte dessa massa magra transforma-se em gordura e o metabolismo tende a desacelerar. Se me mantenho ativo, não perco tanta massa magra. É possível ver até a olho nu, nas pessoas na rua. Se mantenho o gasto energético lá em cima, perco pouca massa magra. Se tem muita massa magra, o gasto energético é maior. É um ciclo vicioso", explica Amélio.

Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget