1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

Idoso erra ao usar remédios, diz pesquisa.

15 de junho de 2008 3 comentários

A CADA VISITA AO MÉDICO, INFORME, OU LEVE TODOS OS MEDICAMENTOS QUE VOCÊ ESTÁ TOMANDO

Um estudo da Santa Casa de São Paulo mostra que 41% dos idosos tomam remédios inadequados ou em doses excessivas para a faixa etária. Em razão disso, sofrem efeitos colaterais como perda de memória, sonolência, pressão baixa, quedas, distúrbios psiquiátricos, tremores intensos, entre outros.

O trabalho foi feito pelo setor de geriatria do hospital e envolveu cem idosos, com idade média de 77 anos. O objetivo do estudo era verificar os remédios que eles estavam usando no dia da primeira consulta.

Segundo Milton Gorzoni, chefe da gerontologia da Santa Casa e coordenador da pesquisa, 40% dos idosos pesquisados usavam diariamente cinco ou mais remédios. Entre as drogas não-recomendadas, estavam algumas de uso freqüente, como calmantes, antiinflamatórios, remédios para pressão alta e relaxantes musculares.

Embora muitos dos idosos estivessem tomando os remédios com prescrição médica, Gorzoni afirma que havia alternativas mais seguras para tratar as doenças. Ou seja, faltariam informações aos médicos de outras especialidades sobre como medicar os idosos.

"Às vezes, é uma questão de gastar um pouco mais de tempo na consulta perguntando quais remédios o idoso está usando."

Gorzoni diz que o hábito de se consultar com médicos de diferentes especialidades acaba gerando outro problema comum aos idosos: uma superposição de drogas com princípios ativos e efeitos semelhantes.

Ele cita um exemplo clássico: idosos que consomem, ao mesmo tempo, vitamina B12, aspirina e ginko biloba. "Como eles têm o metabolismo mais lento, o fígado e os rins levam mais tempo para processar e eliminar os remédios, favorecendo o surgimento de efeitos colaterais como sangramento, hematomas e dor nas articulações."

Segundo Gorzoni, o paciente idoso costuma entrar na chamada "cascata medicamentosa". "Ele passa a tomar cada vez mais remédios para combater os efeitos colaterais causados pelos próprios medicamentos."

O caso da aposentada E.G.T., 75, é um exemplo. Ela procurou o geriatra queixando-se de mal-estar, dores de cabeça, enjôos e confusão mental. Bastou uma conversa para o mistério ser desvendado: excesso de remédios.

"Estava tomando perto de 30 medicamentos, todos receitados por clínicos gerais, cardiologista, reumatologista, gastroenterologista, dermatologista e nem sei mais quem. O geriatra reduziu para cinco os remédios que eu deveria tomar. Agora, estou ótima", diz ela.

De acordo com Gorzoni, mesmo fitoterápicos, como ginko biloba ou ginseng, que os idosos usam e não costumam relatar ao médico, têm que ser consumidos com cautela porque podem interferir na função de outros remédios.

FONTE: Folha Online - Caderno Cotidiano - Jornalista Cláudia Colucci em 16/02/2007

As informações acessadas através do blog http://espacomelhoridade.blogspot.com/search?q= que tem por objetivo a informação, divulgação e orientação acerca de temas de saúde entre outros, não deverão, de forma alguma, ser utilizadas como substituto para o diagnóstico médico ou tratamento de qualquer doença sem antes consultar um profissional da área.


3 comentários:

Marcelo disse...

Oi menina, interessante essa matéria, já imprimi,e vou levar para os meus pais na hora da macarronada... bj

Dirceu disse...

E texto foi salvo e levarei à uns parentes meu, para mostrar que naõ existem pacientes, mas sim doentes.
Achei de suma importância esse relato orientando e alertando sobre o perigo e causas que a auto-medicação podem causar, além de ocorrer a necessidade de sempre usar qquer medicamento, tornando-se dependente dele, sem que no entanto haja necessidade.
Beijos Dirceu

Dirceu disse...

Matéria ótima e oportuna, salvei-a e darei à parentes, pois existem pacientes e doentes, hipocondríacos.
Sei que será de gde. utilidade, à todos que a tiverem acesso.
Beijos, Dirceu

Ocorreu um erro neste gadget