1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

Animais de estimação no combate à solidão.

4 de março de 2009 3 comentários


Os processos psicológicos do envelhecimento têm, na maioria das vezes, a solidão como consequência; seja pelo falecimento do cônjuge, casamento dos filhos, aposentadoria, declínio na vida social, enfim, o sentimento de utilidade que no decorrer da vida lhe era preponderante deixa de estar presente em alguma fase do envelhecimento.
Com base nesta “solidão”, surgiu a idéia de pesquisar, se existe alguma influência de um animal de estimação em uma possível autonomia relacionada à solidão nos longevos.

Conclui-se que:
Ter um animal nos compromete a cuidar de alguma coisa fora de nós mesmos. Significa ser responsável pelos desejos e necessidades de um outro. Tal relacionamento entre os humanos e os bichos cresce somente com um espírito generoso. Contudo o valor de um relacionamento com um animal, como tudo na vida, é diretamente proporcional à energia e ao cuidado que investimos. Se nós estamos querendo aprender e mostrar respeito mútuo, os animais podem nos ensinar muito acerca da vida. A observação do ciclo de vida de um animal ajuda-nos a entender melhor as nossas próprias fases da vida. A experiência da morte de um animal de estimação ajuda-nos a entender a nossa própria mortalidade. A tristeza causada pela sua falta é uma intensa experiência humana, e o sentimento de perda deve constar do nosso cardápio dos eventos da vida.

Concluíu-se também que grande parte dos idosos acredita que a posse de um animal de estimação contribui para o combate da solidão. Muitos dos entrevistados durante a pesquisa, informaram que ganharam ou adquiriram seu animal para combater a solidão, pois muitos são viúvos, divorciados e não têm parentes e viviam sós.

A vida dos idosos que possuem um animal de estimação mudou bastante após adquiri-los, pois muitos justificaram que passaram a ter um objetivo na vida, uma companhia, passaram a fazer mais exercício, passaram a cuidar mais da sua própria higiene – pois passaram a cuidar da higiene do seu animal também, e o lado desagradável é que as despesas aumentaram, mas este aspecto, segundo os idosos, é altamente compensador.

Os cachorros são grandes companheiros, mas necessáriamente o seu animal de estimação tenha que ser um, para aqueles que possuem dificuldade de locomoção, cuidar de um pequeno aquário, ter a companhia de um gato ou de qualquer outro animalzinho produz o mesmo efeito de companheirismo e geração de afeto.

Leitura: A INFLUÊNCIA DO ANIMAL DE ESTIMAÇÃO NO COMBATE À SOLIDÃO DOS IDOSOS - Alexandre Monteiro – Psicólogo

ABAIXO, UM VÍDEO DA LOLA, A CACHORRINHA DE ESTIMAÇÃO DA SIMONE E MASCOTE DO BLOG, E DE OUTROS QUE CONTRIBUEM PARA ALEGRIA E BEM ESTAR DOS SEUS "PAIS ADOTIVOS" E AVÓS ADOTIVOS"

3 comentários:

milton toshiba disse...

Mamãe(75) mora comigo e a Tati(11) fica ao lado dela o dia todo, quando não estou em casa.

3 semana atrás a tati passou mal e foi operada às pressas, mas agora ela está ótima. 4 dias que ela ficou no veterinário, nos deixou muito tristes, eu, minha esposa e mamãe.

Mas agora ela voltou com tudo

abs

poetaeusou . . . disse...

*
tenho duas gatas,
que são as minhas confidentes,
inteligentes, quase humanas . . .
,
conchinhas,
,
*

Paty disse...

Olá!!!! Adorei o blog!!!Vou aproveitar e divulgar o meu!!!
www.espaco4patas.blogspot.com
Está rolando a promoção Pet Elegante,participe!!!!
BJokss,Paty

Ocorreu um erro neste gadget