1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

É Hora do Remédio. O que fazer?

31 de agosto de 2009 2 comentários
LONGEVIDADE

Os medicamentos ocupam um papel fundamental na prevenção e cura das doenças. São recursos utilizados para obter benefícios como a cura, a prevenção, o diagnóstico de uma doença ou então o alívio de sintomas incômodos ou incapacitantes. É uma regra estabelecida que os benefícios esperados com a sua utilização devem ser maiores do que os riscos decorrentes do seu emprego.

Nem todos os distúrbios ou doenças requerem o uso de medicamentos: alguns problemas são de duração limitada e desaparecem mesmo sem a sua utilização. Existem ainda distúrbios e doenças que podem ser tratados com outras terapias, tais como dietas especiais, repouso, massagens,exercícios específicos, etc.

O uso de medicamentos é motivo de preocupação devido à elevada ocorrência de efeitos indesejados e intoxicações, que poderiam ser evitados, na sua grande maioria.

Contribui para aumentar estes problemas a propaganda por parte de alguns fabricantes, que propõe situações de uso irracional de medicamentos.

O uso de medicamentos requer SEMPRE muitos cuidados.

Existem casos em que tais cuidados devem ser intensificados por serem maiores os riscos de prejuízos, como é o caso de tratamentos em pessoas idosas.

O objetivo principal do farmacêutico é aconselhar os usuários (pacientes) e o público em geral quanto ao uso de produtos e serviços farmacêuticos, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida na prevenção de doenças, fazendo com que os medicamentos estejam disponíveis, sejam úteis, eficazes, seguros, baratos (preço justo) e com qualidade.

Pela sua formação acadêmica, o farmacêutico é o especialista em matéria de medicamento, é um profissional da saúde, de nível superior, que está a sua disposição para orientá-lo em benefício da saúde de quem o procura, este é um direito legal que você tem.

O farmacêutico conhece os medicamentos, sua composição e finalidade, ele pode orientar no uso dos remédios que foram receitados pelo médico, que é o profissional capaz de identificar doenças através dos sintomas que você sente e quem pode receitar o medicamento, se for necessário.

Lembre-se, balconista de drogaria ou farmácia não é farmacêutico. Drogarias e farmácias não são consultórios médicos.

Procure um farmacêutico na farmácia ou drogaria mais próxima sempre que precisar e peça a sua orientação, esse profissional sabe qual a forma correta de usar os medicamentos.

Na farmácia, pergunte pelo farmacêutico.


Hélio José de Araújo
Presidente do Conselho Regional
de Farmácia do Distrito Federal
DIRETORIA DO CRF-DF Conselho Regional de Farmácia – DF
Hélio José de Araújo - Presidente SCS, Qd. 6, Bl. A, Ed. José Severo, Sl 609

longevidade

2 comentários:

Heloísa disse...

Sílvia,
Em certas situações os remédios são indispensáveis. Mas eu tenho uma resistência muito grande para usá-los. Talvez por ter sido acostumada a tomar homeopatia, que foi a única medicação adotada por minha mãe para cuidar dos seus 9 filhos.
Beijo.

Lu Souza Brito disse...

Oi Silvia,

Eu já faço uso de tantos medicamentos devido a artrite (que graças aos remedios, exercicios e muita fé está melhorando) que sempre que tenho que tomar outra para coisa simples como exaqueca ou dor de estomago fico um ocado receosa.
Mas os farmaceuticos realmente nao pode ser confundido com o atendente. Tem gente que vai a drogaria e quer que estas pessoas digam o que ela tem e o que deve fazer.

Ocorreu um erro neste gadget