1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

A comunicação com o idoso - por Leny Carvalho e Silvia Masc

3 de fevereiro de 2010 7 comentários

Conversando um dia desses com a querida Beth do Mãe Gaia, surgiu o assunto sobre as limitações que a idade avançada impõe, entre eles as dificuldades na comunicação, ela falava sobre a mãe dela, e eu sobre a minha, dessa conversa surgiu a sugestão de escrever sobre o assunto. Eu não poderia fazê-lo sem mencionar uma pessoa muito especial de quem vou contar um pouquinho pra vocês.

Tenho o prazer de ser amiga e confidente, de uma pessoa especialíssima que amo muito. Ela cuida do seu esposo idoso com carinho e dedicação ímpar.

Fico admirada, com tanta sabedoria, vinda de alguém que não tem formação em geriatria, gerontologia ou enfermagem, eu diria que ela se formou na Universidade do amor, da intuição, da generosidade e do bom senso, aliás é doutora nesses requisitos.

Todos nós sabemos, o quanto é desgastante, porém nunca a ouvi se queixar, é evidente o carinho com que ela o faz, sempre sorridente, tranformando em um privilégio, o que chamaríamos de tarefa e para alguns um fardo.

Recentemente, falávamos sobre a dificuldade de entendimento e compreensão dos idosos, fato que já percebo na minha mãe, que aos quase 90 anos, apresenta dificuldade no entendimento à algumas perguntas ou em algumas conversas.

A Sra. Leny, contou-me sobre a conduta dela diante dessa questão, ao longo de nossas várias conversas e também do que observei na última vez que estive tomando um lanche delicioso em sua casa. É possivel que ela nem tenha a dimensão do quanto me ensina , e por isso quero agradecê-la e compartilhar com vocês um pouco do que aprendo com ela.

Registrei em forma de dicas, o que aprendi, nessa questão da comunicação com as pessoas idosas.

• Use frases curtas e objetivas.

• Repetir a fala, quando essa for erroneamente interpretada, utilizando palavras diferentes.

• Fale de frente, sem cobrir a boca, não se vire ou se afaste enquanto fala.

• Aguarde a resposta da primeira pergunta antes de elaborar a segunda, pois a pessoa pode necessitar de um tempo maior para entender o que foi falado e responder.

• Não interrompa a pessoa no meio de sua fala, demonstrando pressa ou impaciência. É necessário permitir que ele conclua o seu próprio pensamento.

• Sempre que a pessoa demonstrar não ter entendido o que foi falado , repita o que falou com calma evitando constrangimento.

• Procure falar de forma clara e pausada e aumente o tom de voz somente se isso realmente for necessário.

• Verifique a necessidade e condições de próteses dentárias e/ou auditivas que possam estar dificultando a comunicação.

• Converse e cante com a pessoa, pois essas atividades estimulam o uso da voz.

• A música ajuda a pessoa cuidada a recordar pessoas, sentimentos e situações que ocorreram com ela, ajudando na sua comunicação.

. É importante ao se referir a alguém conhecido, explique ao idoso de quem está falando: “Maria, sua filha”; “João, seu vizinho”, Marcelo o seu neto, assim a pessoa vai se situando melhor na conversa e vai relembrando pessoas e fatos que havia esquecido. É preciso falar com simplicidade e pedir que a pessoa toque objetos, retratos e quadros, isso ajuda a “puxar” a memória e a melhorar a conversa.

• O toque, o olhar, o beijo, o carinho são outras formas de comunicação que ajudam o na compreensão do idoso e ser compreendido por ele.

Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

7 comentários:

milton toshiba disse...

Hoje em dia, tenho reparado, que grande maioria de 'jovens', tem perdico a paciência com os idosos, principalmente entes queridos.

A individualidade, egoísmo, tem contribuido para tais atos, mas muitas vezes, veem da própria educação que tiveram.

Muitas vezes, hoje o idoso, teve atitudes semelhantes com os seus.

Mas é animador, ver que muitas pessoas não estão na ,mesma balada

:)

Silvia Masc disse...

É verdade Milton, infelizmente achar que violência com o idoso, é apenas agressão física,é um grande equívoco, o constrangimento e falta de paciência também são.
obrigada pelo seu comentário

Leny disse...

Buááááá´....Buáááááá´...fiquei emocionada e muito feliz por você
perceber que o amor torna nosso compromisso mais prazeiroso.
Amo vc. tbém......tudo que vc. escreve é maravilhoso e muito útil.

abraços da amiga

Anônimo disse...

Olá, Silvia,

quanta sensibilidade e informação em seu texto!

Parabéns pela escrita e principalmente pela homenagem que vc presta nesse texto à sua Amiga.
Aprendo muito com vc e com os seus textos. Sucesso sempre! Você é Realmente compromissada com a causa. Um beijo!
Junior////

Beth/Lilás disse...

Silvia querida!
Foi muito bom mesmo trocar idéias com você sobre nossos pais e da melhor maneira para conduzi-los nesta etapa da vida.
Excelentes dicas e já enviei para minha irmã o link de seu blog para que ela acompanhe de perto, afinal minha mãe mora com ela.
Obrigada.
beijos cariocas

Heloísa disse...

Silvia,
Ótimas dicas.
Como minha mãe já está com 96 anos, sempre prestamos atenção nos problemas da comunicação e procuramos atenuá-los.
Quando falamos de alguém que não está perto, além de explicarmos dizendo "sua neta", "seu bisneto" ou "sua amiga", também procuramos mostrar uma foto dessa pessoa. Isso ajuda bastante.
Beijos.

Denise disse...

Muito lindo!!!

Parabéns pela homenagem e pela dedicação.

bjs

Ocorreu um erro neste gadget