1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

Estratégias para levar uma vida mais tranqüila e remediar os danos causados pela doença de Alzheimer

5 de dezembro de 2010 1 comentário



Uma vez diagnosticada a doença, há outras
estratégias que podem, por sua vez,
 remediar os danos.




Cuidados Possíveis:
Parar de fumar também pode ajudar na luta contra a doença. Uma pesquisa feita por especialistas finlandeses mostrou que fumar entre os 50 e 60 anos pode aumentar os riscos de se ter a doença. Dentre as 21.123 pessoas que participaram do estudo, 1.136 foram diagnosticadas com DA. O quanto antes o cigarro for deixado de lado, melhor.


Mais comum em mulheres (12 a 19%) que em homens (6 a 10%), o risco de desenvolver DA surge a partir da idade de 65 e dobra a cada meia década. A demência atinge de 30 a 40% de quem já passou dos 85 anos. Além da preocupação com os próprios doentes, especialistas ressaltam a necessidade de atenção aos cuidadores.


Um dia de cada vez. Não achar o caminho de volta para casa, perder a habilidade de ter uma conversa inteligente ou até mesmo esquecer o rosto dos filhos. Ao receber o diagnóstico, é comum pensar no futuro e imaginar um cenário devastador. Mas não se deve entrar em pânico. Cada caso é um caso e leva tempo para a doença se desenvolver.

Rotina faz bem. Ir à missa todo domingo, fazer compras sempre no mesmo mercado, almoçar no horário habitual. Manter a pessoa diagnosticada com a doença freqüentando lugares conhecidos, vendo rostos familiares e realizando tarefas às quais está acostumada é bom para ela e ajuda a manter um cenário claro e organizado em sua mente. Mudanças e novidades demais podem confundir a mente de quem sofre de Alzheimer e dificultar o dia a dia. "Quanto mais funcional o paciente for mantido, melhor, mais retarda a evolução da doença", diz Borges.

Corrigir sem insistir. "Não, não foi assim que aconteceu, foi de outro jeito." Muitos familiares corrigem o paciente quando ele se confunde com datas, nomes, lugares ou até mesmo tem alguns delírios. Borges explica que a correção deve ser feita com sutileza. "É bom manter a pessoa orientada, ter calendários grandes em casa, visualização bem clara de que dia, mês e ano é hoje, associar com datas comemorativas", recomenda. Se o paciente persistir no erro, não se deve insistir. Entrar no jogo dele é a melhor saída. "Brigar deixa-o mais desorientado e agressivo." Além do mais, quem o corrige se coloca em uma posição de adversário, reduzindo drasticamente as chances de aproveitar o tempo na companhia um do outro.

Música ajuda. Descobrir as músicas preferidas, uma canção marcante ou os grandes sucessos da época em que o portador da doença era adolescente ou estava em seus 20 anos pode ser muito útil. "Tem que tocar músicas que retratem a história dele. Elas ajudam a acalmar, ajudam na absorção do conteúdo do vocabulário, ajudam a trazer lembranças e a fazer com que ele converse sobre esses assuntos", assegura Borges.

Fazer coisas simples. Dobrar toalhas ou pôr a mesa. Tarefas simples como estas podem significar a diferença entre uma conversa frustrada e um bom tempo passado juntos, pois a capacidade de bater um bom papo vai se perdendo com o avanço da doença, por causa dos lapsos de memória, da confusão e da instabilidade do humor. Isso pode fazer parentes e amigos sentirem dificuldade para se relacionar com a vítima de Alzheimer. Em vez disso, é recomendado realizar??pequenos trabalhos cotidianos conversando com alguém querido. "Não e só conversa, não é só atividade, é um pouco de tudo", diz Borges.

Nada de intolerância. "Vai logo", "que lerdeza" e "haja paciência" são frases que quem sofre de Alzheimer costuma ouvir de estranhos, pois costumam levar mais??tempo para se decidirem e para fazer as coisas. Desconhecidos podem se sentir incomodados com isso, reclamar e até perder a educação. Felizmente, esse quadro vem se revertendo. "Nós estamos melhorando muito esse tipo de coisa, até porque a doença está sendo mais falada e estudada, nós temos muitos filmes falando sobre a doença, novelas, etc.", diz Borges. Ter ou cuidar de alguém com DA não é nenhum pecado. "As pessoas não têm mais vergonha de dizer que têm pai ou mãe com Alzheimer." É preciso explicar sobre a doença e as limitações que vêm com ela. Combater a intolerância é fundamental. A memória e a mente podem falhar, mas isso não tira o direito de viver em sociedade.

A doença não é a pessoa. Se comportar grosseiramente, cuspir e até morder. Estes comportamentos que a doença traz podem ser bastante perturbadores de se ver em alguém que antes era educado e compreensivo. É comum pensar que a vítima da doença sempre teve essas características e que o Alzheimer apenas as liberou, mas este não é o caso. A doença é que danifica o cérebro e causa esses transtornos, que podem ser confundidos com a personalidade da pessoa – mas não são. "O que não pode é acontecer e achar que isso é comum, é preciso procurar ajuda", defende Borges.

Trabalho em grupo. Estar em contato freqüente com parentes e amigos ajuda muito o paciente, mas os lapsos de memória e as alterações de humor podem ser cansativos para quem o cerca. A solução é se revezar em turnos para fazer companhia e conversar com quem tem a doença. Esse método faz com que todos interajam com o portador da doença sem que ninguém se canse. Borges explica que existem dois tipos de cuidador: o formal, que é um profissional pago para isso; e o informal, que geralmente é algum parente. Independentemente do tipo, deve haver revezamento. "Nunca é bom ter uma pessoa só, porque é muito cansativo do ponto de vista emocional, físico e estrutural. 80% das que cuidam sozinhas entram em depressão", diz.

Paixão de quem cuida. Jogar boliche, ir ao cinema, pegar uma onda. Todos que cercam o paciente precisam de um tempo para si mesmos. Conforme a pessoa que tem a doença sofre um afastamento da realidade, um vazio vai se formando na vida de quem cuida dela. É preciso preenchê-lo alimentando práticas que dêem prazer ao cuidador, servindo como um escape. É bom cuidar de quem se ama, mas não faz bem viver em função da doença alheia. "Por isso que tem que haver esse revezamento," completa a médica.

Bons momentos. Uma festa surpresa de aniversário (mesmo que o aniversariante não lembre que está ficando mais velho), uma cerimônia para renovar os votos de casamento, ou simplesmente ganhar um sorriso de alguém querido. "Isso sempre está ajudando a memória, mexendo com o cérebro na linha das emoções", diz Borges. Vítimas de Alzheimer apreciam muito ver a família unida, os amigos ajudando um ao outro, as pessoas com quem se importam se dando bem. Como portadores da doença tendem a ficar deprimidos por causa de seu quadro de saúde, laços interpessoais ganham muito mais importância e momentos emocionantes fazem um grande bem, deixando-os imensamente satisfeitos.
Fonte: (ABRAz) (http://www.abraz.com.br/).
Sinta-se em casa e deixe o seu comentário.

1 comentários:

welze disse...

leitura indispensável para todos que tem familiares. boa semana

Ocorreu um erro neste gadget