1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

Demência:Fatores de risco ( Parte 4 de 5 )

15 de novembro de 2012 comente


Pela equipe  Clínica Mayo
Tradução: Silvia Masc

As informações contidas neste blog tem caráter meramente educativo e não substituem as opiniões, condutas e discussões estabelecidas entre médico e paciente.


Os fatores de risco
Muitos fatores podem levar à demência. Alguns, tais como a idade, não podem ser alterados. Outros podem ser abordados para reduzir seu risco.
Fatores de risco que não podem ser alterados
Idade. O risco de doença de Alzheimer, demência vascular e várias outras formas de demência aumentam significativamente com a idade. No entanto, a demência não é uma parte normal do envelhecimento.
História familiar.
Pessoas com história familiar de demência estão em maior risco de desenvolvê-la. No entanto, muitas pessoas, porém há pessoas que mesmo sem histórico familiar, pode desenvolver demência. Se você tem mutações genéticas específicas, você está em risco significativamente maior de desenvolver certos tipos de demência. Testes para determinar se tem essas mutações genéticas estão disponíveis, mas apenas para as doenças nas quais a mutação específica é conhecida, por exemplo, a doença de Huntington.
A síndrome de Down.
Pelo tempo que eles atinjam a idade média, a maioria das pessoas com síndrome de Down pode desenvolver as placas e emaranhados característica da doença de Alzheimer, de acordo com estudos. Muitos, mas não todos, também podem desenvolver demência.
Os fatores de risco que você pode mudar
Para reduzir o risco de demência, você pode tomar medidas para controlar os seguintes fatores.
Uso de álcool.
Consumir grandes quantidades de álcool parece aumentar o risco de demência. Embora os estudos tenham demonstrado que quantidades moderadas de álcool - um drinque por dia para mulheres e duas para os homens - especialmente o vinho tinto, têm um efeito protetor, abuso de álcool aumenta o risco de desenvolvimento de demência.
Aterosclerose.
Esse acúmulo de gorduras e outras substâncias em paredes das artérias (placas) é um importante fator de risco para a demência vascular, porque interfere com o fluxo de sangue para o cérebro. Isto pode levar a um derrame. Estudos também têm mostrado uma possível relação entre aterosclerose e doença de Alzheimer.
Pressão arterial.
Pressão arterial é muito alta, e também, possivelmente, muito baixa, pode colocá-lo em risco de desenvolver a doença de Alzheimer e demência vascular.
Colesterol.
Altos níveis de lipoproteína de baixa densidade (LDL), o colesterol "ruim", podem aumentar significativamente o risco de desenvolver demência vascular. Alguns estudos também indicam aumento no risco de desenvolver a doença de Alzheimer.
Depressão.
Embora não seja ainda bem compreendido, depressão, especialmente no homem, pode ser uma indicação para o desenvolvimento de demência relacionada com Alzheimer.
Diabetes.
Se você tem diabetes tipo 2, que está em risco aumentado de desenvolver tanto a doença de Alzheimer e demência vascular.
Altos níveis de estrógeno.
Altos níveis de estrogênio total de mulheres têm sido associados com maior risco de desenvolver demência. Isto pode ser determinado através de um exame de sangue.
Os níveis de homocisteína no sangue.
Níveis sanguíneos elevados de homocisteína - um tipo de aminoácido produzido pelo seu corpo - podem aumentar o risco de desenvolver a doença de Alzheimer e demência vascular. Ao trabalhar corretamente, o organismo decompõe homocisteína usando vitaminas B-6, B-12 e ácido fólico. Se isso não está acontecendo corretamente, pode ser porque você não metaboliza essas vitaminas bem, ou você não tem um número suficiente delas em sua dieta. Exames de sangue podem determinar se você tem níveis elevados de homocisteína.
Fumar.
Fumar provavelmente aumenta o risco de desenvolver a demência porque coloca você em maior risco de aterosclerose e outros tipos de doença vascular.

 Todas as decisões relacionadas ao tratamento devem ser tomadas com respaldo do médico responsável pelo acompanhamento clínico do paciente, pois é ele quem mais conhece as particularidades de cada paciente, tendo, portanto, melhores condições de opinar e prescrever a conduta mais adequada.

© 1998-2012 Fundação Mayo para Educação Médica e Pesquisa (MFMER). Todos os direitos reservados. A única cópia destes materiais pode ser reproduzida para uso pessoal e não comercial. Clínica Mayo são marcas registradas da Fundação Mayo para Educação Médica e Pesquisa.

Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget