1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

CUIDADOR – por Silvia Masc

30 de junho de 2014 comente
Na semana passada, fiz uma visita a um casal encantador que conheço há muitos anos, João e Maria. Há longo tempo  eles têm uma relação de amor e carinho imensa um para com o outro. No entanto, ela me contou que se irritou profundamente, quando seu médico recentemente se referiu a ela como “cuidadora” (João é portador de Alzheimer). Ela muito irritada disse: - não sou cuidadora, “sou mulher e esposa dele”.

Fiquei pensando, quando é que o rótulo cuidador substitui a esposa ou esposo? Se o seu marido ou esposa recebe um diagnóstico de doença de Alzheimer, você (o cônjuge) deixa o consultório médico com um novo rótulo, título e papel? Quando os cônjuges se rotulam como cuidador?

Acho que rótulos NUNCA nos identificam. Na melhor das hipótese destacam alguma qualidade específica que nos interessa em determinado contexto: eu sou uma mulher, eu sou um marido, eu sou um pai, eu sou uma filha, eu sou um artista, eu sou um gerente, eu sou um vegetariano. Muitas vezes, esses rótulos não necessariamente refletem o que somos, tanto quanto o que fazemos, o que o nosso status social é, ou como nós funcionamos na vida.

Em uma sociedade que coloca tanta ênfase no desejo de ser alguma coisa, cada um de nós lida com descobrir exatamente quem somos em relação ao nosso mundo. É importante ressaltar que a linguagem ou as palavras que usamos para descrever a nós mesmos influencia em grande parte a forma como pensamos. E a maneira como pensamos nossas emoções, nossas expectativas e os nossos comportamentos.

No caso da Maria, em vez de "ser" uma cuidadora, ela escolhe para ver a si mesma como uma mulher em um papel de cuidar ou dar apoio. Cuidar é um verbo que descreve uma ação, no caso o ato de cuidar de outra pessoa e não o seu nível de relacionamento com ela . Cuidar não define  você é, nem seu relacionamento com você mesmo.

Entendo que um dos papéis que um ser humano de extrema grandeza pode exercer é o de cuidador, mas esse é e sempre será apenas um dos seus muitos papéis.
Ser autêntico é ter a capacidade de ver nosso eu interior, que vai muito além do nosso trabalho, nosso papel social, nossos títulos. E seu verdadeiro eu que está dentro e que não pode ser definido por qualquer coisa externa. Essas são suas verdadeiras qualidades mais importantes que precisam de expressão.

Para aqueles que exercem o papel de cuidador, diante de tarefas intermináveis, a sensação do verdadeiro eu é frequentemente diluída e, possivelmente, algo que se perde logo no início. O caminho para a própria fé pode estar em algum lugar entre quem você é e de quem você está cuidando.

Talvez seja a "áurea”, entre os extremos de egoísta e altruísta - o equilíbrio que se eleva por compaixão e carinho, e termina bem antes negligenciando suas próprias necessidades. É um sentimento interior que importa que você mereça ser saudável e inteiro, tanto como a pessoa que você está cuidando.

Eu acho que muitos de vocês concordam que você não quer “cuidador” para definir quem você é. No entanto, identificar-se em um papel de cuidar como Maria faz é bom para você. Ao identificar-se em um papel de cuidar ou como um cuidador que você começar a prestar atenção a informações, recursos e serviços que podem ajudá-lo.

Mais importante ainda, você se torna parte de um grande grupo de um povo com problemas comuns, necessidades e preocupações. Você começa a construir o reconhecimento não de quem você é, mas do que você faz.

Quanto nomear e rotular um papel que temos e validar nossas experiências pode alimentar os nossos sentimentos? Nós dizemos ao mundo: Eis-me aqui, reconheça-me, ouça-me, apoie-me, eu sou importante.

Sinta-se em casa e deixe seu comentário.


0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget