1.o Colocado "LONGEVIDADE HISTÓRIAS DE VIDA BRADESCO SEGUROS" 2012

Idoso não volta a ser criança!

21 de julho de 2014 comente
Podemos encontrar, nos longevos, muitas qualidades dos infantes, mas nem por isso devemos subestimar sua longa e densa história de vida

Tenho ouvido, com certa frequência, que aquele que viveu muitos anos de vida "voltou a ser criança". Entendo que, em alguns casos, a intenção é carinhosa; noutras, protetora e, eventualmente, chega a ter um tom pejorativo. Em todos, porém, é equivocada.

O idoso, como todos, já foi criança um dia e nunca mais voltará a sê-lo. Nem haveria por quê. É verdade que podemos encontrar, nos longevos, muitas das qualidades que são frequentemente manifestas pelos infantes, como a vivacidade, a inocência ou a impulsividade.

Nem por isso, no entanto, devemos subestimar a grande importância que tem a sua longa e densa história de vida. Esta é, sem dúvida, uma das principais características de quem vive muito: o grande acúmulo de experiências pregressas, que se constituem na principal matéria-prima com que é construída a identidade de cada um.

São as peculiaridades da sua composição, cada vez mais acentuadas com o progredir do tempo e com qualidades e intensidades ímpares, que caracterizam e identificam cada indivíduo. O conjunto de todas essas particularidades vai, progressivamente, diferençando-nos dos demais e tornando-nos cada vez mais parecidos com nós mesmos.

Esse patrimônio cultural precisa ser reconhecido e respeitado por ser o principal motivo pelo qual tomamos as nossas decisões e, em algum momento, em caso de necessidade, gostaríamos que fosse levado em conta por quem viesse a tomá-las por nós. Esse talvez seja o ponto principal que diferencia os idosos das crianças, com as quais são erroneamente comparados.

Ao idoso interessa muito o seu longo passado para que se possa planejar o futuro. Na criança, tudo se relaciona, fundamentalmente, com o seu cada vez mais longo futuro. Disso decorre a necessidade de diferenciar bem as duas situações, embora as características de ambos possam parecer, circunstancialmente, as mesmas.

Se não é adequado que os idosos sejam comparados aos seus pares etários, visto que, mesmo gêmeos idênticos, à medida que a idade avança, vão se diferençando conforme os caminhos que forem trilhados, que dizer de que o sejam às crianças apenas porque também não conseguem realizar suas atividades de forma independente ou porque possuem algumas limitações para cumprir as tarefas e funções da vida cotidiana?

Quando os idosos assim são entendidos, a reação imediata é a de cercá-los de proteção exagerada, o que acaba por tolher-lhes as capacidades que ainda estão presentes e, o que é pior, inibe qualquer possibilidade de expressão que não seja a da progressiva dependência.

Mesmo quando essas atitudes são tomadas com a melhor das intenções, tudo isso contribui para que, na maior parte das vezes, as limitações se acentuem. Cuidados desnecessários, linguagem com excesso de diminutivos, voz afilada e constantes repreensões vão transfigurando as relações pessoais e invertendo os papéis familiares e sociais. Erro crasso.

Não há por que infantilizar o idoso. Melhor seria conseguirmos ver a criança que esse idoso foi e que ainda vive em sua memória. Segui-la até a juventude e a vida adulta e verificar que saudades tudo isso lhe traz, que efeitos tiveram todos os anos que precederam o atual e qual a extensão do seu patrimônio que ainda pode ser resgatado para tornar explícito aquilo que lhe vai na alma.

Em resumo, seria ótimo conseguirmos ver quem ele foi antes de aqui chegar. Se conseguirmos agir dessa maneira com os idosos atuais, certamente os jovens do futuro farão a mesma coisa conosco e então teremos mais chance, todos nós, de saber para onde ir.


WILSON JACOB FILHO, professor da Faculdade de Medicina da USP e diretor do Serviço de Geriatria do Hospital das Clínicas (SP), é autor de "Prática a Caminho da Senecultura" (ed. Atheneu)
@ - wiljac@usp.br
 

Sinta-se em casa e deixe seu comentário.

0 comentários:

Ocorreu um erro neste gadget